Maçã ajuda a reverter êxodo catarinense

Agronegócio

Maçã ajuda a reverter êxodo catarinense

A cidade tem um programa de fruticultura para gerar emprego e renda, mas, por enquanto, tem a participação de apenas um agricultor
Por:
98 acessos

O município de São Bento do Sul, no Planalto Norte, quer reverter o êxodo rural gerado pelo desenvolvimento industrial moveleiro. Desde o ano passado, a cidade tem um programa de fruticultura para gerar emprego e renda, mas, por enquanto, tem a participação de apenas um agricultor. É Leomar Gassner, que aderiu à idéia com um pomar de maçã, de um hectare. A área já começa a produzir e a estimativa é que sejam colhidas, em janeiro, cerca de 15 toneladas da fruta. Segundo o engenheiro agrônomo Roberto Albuquerque, o auge da produção será alcançado na safra 2008/2009, quando a produtividade, por hectare, será de aproximadamente 30 toneladas.

Mesmo antes da primeira colheita, Gassner resolveu ampliar a área plantada. Na semana passada, foram acrescentadas 1,5 mil novas mudas ao pomar. Com isso, já possui cerca de 3,6 mil macieiras, mas somente as duas mil primeiras árvores vão gerar frutos para o Verão. A variedade plantada é a Castel Gala, descoberta em Monte Castelo, no Meio-Oeste. O município, distante cerca de 130 quilômetros a Sudoeste de São Bento do Sul é pioneiro no programa da fruticultura. Neste ano, cerca de 150 hectares estão em cultivo. De acordo com Albuquerque, a grande vantagem da variedade é o período de colheita, que ocorre em janeiro, pouco mais de um mês antes da safra nacional da maçã.

- Assim o quilo é vendido a R$ 1,20. Depois, cai para R$ 0,80, mas ainda é um valor excelente - explica.

Ampliação depende de recursos do governo

Para os próximos anos, além de ampliar a área plantada em solo são-bentense, o engenheiro destaca a necessidade de se criar um centro de seleção da fruta. A meta é construir a unidade em Monte Castelo, pioneira no projeto. Para isso já estão sendo feitos planos para obtenção de recursos do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) ou de instituições de fomento, como é o caso do Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES).

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink