Mal da vaca louca em MT pode gerar desconfiança de mercados
CI
Agronegócio

Mal da vaca louca em MT pode gerar desconfiança de mercados

Fiscalização do trânsito de animais é precária Sudoeste de MT
Por:
“Na região em que surgiu o novo caso suspeito de encefalopatia espongiforme bovina,  conhecida como mal da vaca louca, no Sudoeste de Mato Grosso, a fiscalização do trânsito de animais é precária. Numa faixa de  160 quilômetros de fronteira entre Brasil e Bolívia, na mesma semana em que o caso foi constatado, a reportagem do “Estado” encontrou  dois postos de fiscalização em operação.  

No espaço de mais de cem quilômetros entre eles, há passagens  pela fronteira sem a presença de fiscais.” Assim começa a reportagem de  José Maria Tomazela e Evelson de Freitas, do Estado de São  Paulo,  de 4 de maio último”, mostrando a  lastimável situação de nossa defesa sanitária animal e vegetal.

Se o leitor perguntasse a esse colunista qual o instrumento da política pública voltada para o agronegócio que merece ter seu dispêndio aumentado e preservado de qualquer corte dos Ministérios da Fazenda e do Planejamento (esse Ministério não faz jus a esse nome há muito tempo), nós não titubearíamos: é a defesa sanitária. E acrescentaríamos mais dois: pesquisa e seguro de renda, modalidade inexistente em nosso desenho de políticas, mas praticada em vários países.

Parece que alguns Ministros não percebem que qualquer caso, suspeito ou confirmado,  dessa natureza gera uma desconfiança enorme dos mercados externos por parte dos nossos importadores, alguns por valorizarem esse aspecto mais que o Brasil, outros por  mal disfarçados interesses protecionistas. Basta um só caso para a ameaça de embargo se manifestar e, pior,  com extensão a todo o território nacional, ou seja, o caso aconteceu em Mato Grosso , mas todos os Estados  brasileiros, podem ser “contaminados”  pela ameaça dos mercados.

E  recuperar um mercado perdido por esse motivo é uma eternidade. Vide o caso do embargo russo aos nossos frigoríficos. Portanto, Ministros e Secretários de Estados, muito cuidado com suas “tesouras” implacáveis. Elas podem, em certas situações,  custar caro aos agropecuaristas e ao País.

Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink