Cultivo

Manejo do solo pode evitar ocorrência de erosões

Uma das principais causas da erosão é a falta de rotatividade no cultivo
Por:
270 acessos

O alto número de erosões registradas no período de outubro e novembro de 2017 ainda preocupa os técnicos agrícolas. Só no ano passado foram constatados aproximadamente 400 milímetros de deslizamento de terra nas propriedades de toda a Região Oeste, por conta das fortes chuvas e do mau manejo do solo. Atualmente, o objetivo é conscientizar os produtores sobre a melhor forma de cultivo para minimizar os prejuízos.

De acordo com o técnico agrícola da Assistência Técnica Pública a Serviço do Produtor Rural (Emater) Nelson Kunlzer, uma das principais causas da erosão é a falta de rotatividade no cultivo, em que os produtores priorizam somente o plantio de soja e milho dificultando a formação das camadas que protegem a terra. “Na Região, os agricultores que optaram pela produção de aveia tiveram menos prejuízo do que os que continuaram a plantar soja e milho”, alerta.

Devido às fortes chuvas no Oeste do Paraná, Mercedes foi a principal área atingida, pois a terra não conseguiu absorver a grande quantidade de água e acabou cedendo. Na época, houve também o afogamento de gados e rios transbordaram. A partir de dados das estações do Sistema Meteorológico do Paraná (Simepar), em outubro de 2017 foram registrados em Palotina, município mais próximo de Mercedes, cerca de 320 milímetros de chuva sendo que a média mensal é de 170 milímetros. Só no mesmo mês de outubro em Toledo, foram registrados aproximadamente 580 milímetros de chuva. Comparados ao mesmo período nos anos anteriores, os números ultrapassam 270 milímetros da média que é de 380 na Região, facilitando a ocorrência de deslizamento.

Para conscientizar e informar os produtores sobre a difusão da tecnologia em fertilidade, nutrição e manejo do solo, um Seminário Municipal de Produção Vegetal aconteceu na tarde de quinta-feira (25) e reuniu cerca de 70 agricultores e produtores de grãos na Casa da Cultura de Mercedes.

Kunlzer ainda alerta sobre a importância de um bom cultivo e aponta que uma vez que há erosão de 1 milímetro do solo, demora cerca de 1 milhão de anos para ele se recompor. “A conservação do solo é importante, pois cada chuva que acontecer pode transbordar os rios próximo a erosão e contaminar a água por conta dos agrotóxicos que estão no solo”.

Além disso, locais próximos onde a erosão já aconteceu, está sempre propício para que mais deslizamentos ocorram em escalas maiores. “Se o solo for embora, não há a necessidade de utilizar a tecnologia de ponta a favor dos agricultores atualmente. É preciso mudar o manejo do solo para melhorar a condição do cultivo”, finaliza.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink