Mapa promove simulado para ameaças à sanidade bovina

Agronegócio

Mapa promove simulado para ameaças à sanidade bovina

A iniciativa é parte do curso de gestores e executores em emergência, promovido pelo Centro Pan-Americano de Febre Aftosa
Por:
191 acessos

Mais de 160 profissionais participam, até sexta-feira (14), de simulado para ações de emergência sanitária em doenças de bovinos, com enfoque para a febre aftosa. O exercício é realizado na região de Cáceres/MT e tem o propósito de capacitar o serviço médico veterinário oficial para respostas rápidas a possíveis ameaças à sanidade do rebanho brasileiro.

Participam do treinamento 60 veterinários do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e órgãos estaduais responsáveis pela defesa sanitária animal de 12 unidades federativas: Acre, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins, Rondônia, Distrito Federal, Minas Gerais, São Paulo, Santa Catarina, Sergipe, Rio Grande do Sul e Piauí.

A iniciativa é parte do curso de gestores e executores em emergência, promovido pelo Centro Pan-Americano de Febre Aftosa (Panaftosa/OMS), em cooperação técnica com o Mapa. O Departamento de Saúde Animal, da Secretaria de Defesa Agropecuária (DSA/SDA) já notificou a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) sobre o treinamento.

O simulado conta, também, com quatro médicos oficiais da Bolívia, tendo em vista que Mato Grosso faz fronteira com aquele país. Segundo o coordenador-geral de Combate a Doenças, do DSA, Guilherme Marques, este trabalho conjunto é benéfico para os dois países. “Estamos trabalhando com raio de 25 quilômetros dos focos identificados no simulado. Dessa forma, estaremos prontos para dar respostas rápidas de maneira conjunta”, ressalta.

O Ministério da Defesa fornece apoio operacional às ações, com sistema de comunicações por satélite, que permite troca de informações entre os participantes do simulado e o nível central do Ministério da Agricultura, em Brasília/DF. “É possível discutir, em tempo real, a melhor estratégia para controlar e combater a doença e otimizar a estrutura de comando e controle”, explica Marques.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink