Menores estoques de milho devem sustentar preços em 2020

ESTOQUES

Menores estoques de milho devem sustentar preços em 2020

Temporada 2019/20 de milho deve se iniciar com disponibilidade restrita, num cenário de consumo doméstico crescente
Por:
328 acessos

A temporada 2019/20 de milho deve se iniciar com disponibilidade restrita, num cenário de consumo doméstico crescente. Segundo pesquisas do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, a nova safra de verão deve ficar em linha com a registrada em 2019, não conseguindo alterar de forma expressiva a disponibilidade interna no primeiro semestre. Assim, há fatores de sustentação de preços no curto prazo, o que tende a estimular o semeio da cultura na segunda safra e, consequentemente, a elevar a oferta no segundo semestre. Em termos globais, são esperadas reduções da produção, do consumo e dos estoques, o que reforça a perspectiva de sustentação de preços.

O forte movimento de alta nos preços domésticos no último trimestre de 2019 estimulou produtores a aumentarem a área semeada com milho primeira safra. Informações da Equipe de Custos do Cepea apontam que houve melhora nas relações de troca entre produtos e insumos nas principais regiões acompanhadas.

Em relatório divulgado no dia 9 de janeiro, a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) estima que a primeira safra de milho 2019/20 deva atingir 26,6 milhões de toneladas, 3,8% a mais que na temporada anterior, resultado do aumento de 1,1% na área e da expectativa de crescimento de 2,7% na produtividade. O consumo interno é estimado em 68,13 milhões de toneladas, quantidade 6,6% superior ao da temporada passada e 12,8% acima da média das últimas três safras. Esse cenário se deve às maiores procuras por parte do setor pecuário e de novas usinas produtoras de etanol de milho do Centro-Oeste.

A soma da produção do milho verão ao estoque de passagem – estimado até o momento pela Conab em 11,53 milhões de toneladas ao final de janeiro/20 – resulta em suprimento de 38,15 milhões de toneladas para o primeiro semestre. Este volume é equivalente a 56% do consumo doméstico no ano. Como comparação, na temporada passada, o volume dos estoques iniciais somado à produção do milho primeira safra respondeu por 65% do consumo interno. Ou seja, na atual safra, o consumo interno deverá absorver percentual maior da produção de milho segunda safra.

Para a segunda temporada, por enquanto, a Conab mantém as estimativas de área da temporada anterior e a perspectiva de produtividade média de 5,5 t/ha. Com isso, a produção do milho segunda safra 2019/20 é estimada em 70,9 milhões de toneladas, redução de 3,1% frente à anterior. Caso as estimativas da Conab se concretizem, a produção total de milho deverá atingir 98,4 milhões de toneladas – estimativas privadas sinalizam volume mais próximo de 100 milhões de toneladas.

Em Mato Grosso, após os problemas enfrentados no início da temporada, a semeadura de soja ganhou ritmo, ficando acima da média dos últimos cinco anos, segundo o Imea (Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária). Apesar disso, a janela ideal de semeio de milho de segunda safra ainda preocupa parte dos agentes. Até o início de janeiro, o Imea indica que a área plantada no estado deve crescer 2,36%, mas a produtividade pode cair 4,25%, o que resultaria em produção geral em 2020 de 31 milhões de toneladas, queda de 2% em relação à de 2018/19.

A disponibilidade interna brasileira para a próxima safra – referente à soma de estoques iniciais, importação e produção – pode superar as 111 milhões de toneladas, quantidade 4,8% inferior à safra passada, mas ainda 4,6% superior à média dos últimos três anos. Este é um quadro favorável aos vendedores, uma vez que o excedente interno, que se refere à diferença entre a disponibilidade interna e o consumo, seria de 44,3 milhões de toneladas, quantidade 16% inferior à da temporada passada. Este volume estará disponível para exportação. Por enquanto, a Conab estima que 34 milhões de toneladas sejam embarcadas entre fevereiro/20 e janeiro/21.

O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) estima que a produção mundial seja de 1,11 bilhão de toneladas, redução de 1,04% em relação à temporada anterior. Essa diminuição é decorrente da menor produção nos Estados Unidos. O consumo deve somar 1,133 bilhão de toneladas, queda de 0,87%.

Quanto às transações internacionais, o USDA projeta aumento de 0,2%, indo para 172,3 milhões de toneladas. Por enquanto, a expectativa é de que o Brasil se consolide como segundo maior exportador, com 39,5 milhões de toneladas, seguido pela Argentina, com 33,5 milhões, e Ucrânia, com 30,5 milhões. Para os Estados Unidos, esperam-se que 48 milhões de toneladas sejam embarcadas.

Com perspectivas de reduções na produção e no consumo, o estoque mundial deverá atingir 297,8 milhões de toneladas, quantidade 7% inferior à da temporada passada. Quando analisada a relação estoque final / consumo para a safra 2019/20, observa-se redução frente à temporada passada, de 1,4 p.p., para 26,2%, a menor relação desde a temporada 2013/14, o que pode contribuir para a sustentação dos preços internacionais no médio prazo.

Ainda para 2019/20, o USDA estima redução de 2% na produção e na exportação da Argentina em relação à temporada passada. Esse cenário e também o aumento na tributação de exportações agrícola argentinas anunciado em meados de dezembro devem reduzir a competividade internacional do cereal do país vizinho e favorecer as exportações brasileiras nos próximos meses.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink