Mercado de milho está invertendo a tendência

ANÁLISE

Mercado de milho está invertendo a tendência

Segunda quinzena do mês de Setembro começa “estudada” no mercado paulista
Por: -Leonardo Gottems
626 acessos

Receba Notícias como esta por email

Cadastre-se e receba nossos conteúdos gratuitamente

Os preços do milho estão caindo nos principais mercados do país por várias razões, aponta a T&F Consultoria Agroeconômica. A segunda quinzena do mês de Setembro começa “estudada” no mercado paulista de milho, segundo a Consultoria XP Agro. 

“Nesta segunda-feira (17), compradores permaneceram fora do mercado, sem demonstrar interesse em novas cargas. Produtores também estão sem pressa, aguardando por novas altas na taxa de câmbio e por negociações envolvendo soja. Intermediários e silos estão desabastecidos e tentam aumentar a pressão sobre a saca para recompor seus estoques e ter algum giro trabalhar. Lotes de milho tributado chegam aos poucos no estado de São Paulo, uma vez que as incertezas sobre o frete permanecem”, afirma o analista da T&F Luiz Fernando Pacheco. 

A média captada pela XP Investimentos está em R$ 40,98/sc, queda de R$ 0,03 no dia. Nos portos de Santos (SP) e Paranaguá (PR), as indicações para Set/18 e Nov/18 recuaram para R$ 41,50/sc e R$ 42,50, respectivamente. A soma dos lineup’s de soja para Set/18 estão em 6,06 MT (+0,53 MT/dia) e a do milho em 4,23 MT (+0,23 MT/dia).

“Na região de Dourados (MS), grandes compradores restringiram a demanda e tentaram, com sucesso, pressionar as cotações do cereal. Os vendedores com compromissos a vencer e que quase não têm soja para negociar acabaram cedendo e negociando pelos preços oferecidos pelas empresas. A semana passada começou com propostas na faixa de R$ 33/saca FOB. Na quinta-feira, os preços já tinham recuado para a faixa de R$ 31,50 a R$ 32 e na sexta, caíram para R$ 31/saca FOB (livre de impostos) para retirada em setembro e pagamento no fim de outubro. Apesar disso, entre quarta e sexta rodaram cerca de 30 mil toneladas para empresas do mercado interno”, conclui Pacheco.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink