Mercosul: Produção de trigo deve crescer mais de 15%
CME MILHO (DEZ/20) US$ 4,112 (0,05%)
| Dólar (compra) R$ 5,61 (0,12%)

Imagem: Pixabay

INVERNO

Mercosul: Produção de trigo deve crescer mais de 15%

Brasil pode produzir 7,2 milhões de toneladas
Por: -Leonardo Gottems
662 acessos

A primeira estimativa da produção de trigo dos países do Mercado Comum do Sul (Mercosul) mostra um possível crescimento de 15,38%, segundo informou a autora do levantamento, T&F Consultoria Agroeconômica. Nesse cenário, o Bloco deve colher cerca de 4 milhões de toneladas a mais na safra 2020/2021. 

“Em  que  pese  os  problemas  político-econômicos  da  Argentina,  o  trigo ainda  é,  naquele  país,  uma  grande  alternativa  de  produção  e  os agricultores,  golpeados  com  o  aumento  dos  seus  custos,  ficam  sem opção  a  não  ser  tentar  aumentar  a  área  para manter  os  seus  ganhos, embora  haja  notícias  de  que  poderão  usar  menos  tecnologia  para rebater  o  aumento  de  impostos  determinado  pelo  governo.  Com isto, decidimos adotar um número médio das projeções do potencial produtivo do país em 20,5  milhões de toneladas, com um aumento  de 1,7 milhões de toneladas sobre a safra anterior, ou 9,04%”, indica. 

Para o Brasil, o potencial produtivo é de 7,2 milhões de toneladas, um aumento de 1,6 milhões de toneladas ou 28,57%, já que os prognósticos são de clima favorável e deve ser registrado ainda um aumento de área. “O Paraguai deverá ter um aumento significativo de 60% no seu potencial produtivo, passando de 1,0 para 1,6 milhões de toneladas devido ao aumento de área e ao clima extremamente favorável sobre as lavouras do país. O detalhe é que a colheita poderá ser iniciada já no final de julho, quase um mês antes da colheita do Paraná, no Brasil”, completa. 

“O Uruguai deverá aumentar a sua disponibilidade de trigo para a próxima safra, segundo estimativa de Monitor Agrícola, de Montevideo. O país aumentou o seu potencial produtivo de 600 mil para 700 mil toneladas (ou até 800 mil toneladas, segundo alguns analistas locais)”, conclui. 

Anúncios que podem lhe interessar


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink