MG: compra conjunta de alevinos reduz custos e incentiva piscicultura em Consolação
CI
Imagem: Pixabay
PSCICULTURA

MG: compra conjunta de alevinos reduz custos e incentiva piscicultura em Consolação

Produtores rurais do município do Sul de Minas recebem atendimento da Emater-MG para diversificar atividades

A compra conjunta de alevinos está sendo um incentivo para os produtores rurais de Consolação, no Sul de Minas, investirem na piscicultura. O projeto foi desenvolvido pelo escritório local da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG), vinculada à Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa). Desde janeiro, já foram realizadas três entregas com pelo menos nove produtores beneficiados.

O extensionista da Emater-MG no município, Rhaony Leite, afirma que a proposta é diversificar a produção agropecuária da região, além de melhorar o rendimento das famílias rurais. "Um dos objetivos de compra conjunta é estimular a produção de peixes no município, para que seja uma renda extra para os produtores. No meio dessa pandemia, qualquer renda extra se torna uma grande ajuda para as famílias”, destaca.

Inicialmente, foi realizado um levantamento com os agricultores familiares do município atendidos pela Emater-MG, para verificar o interesse na aquisição dos alevinos, que são fornecidos por uma piscicultora em Poço Fundo, que fica a cerca de 100 quilômetros de distância. O agendamento de compras de alevinos é mensal, mas a frequência de entregas pode ser reduzida, dependendo do aumento da demanda.

Entre os alevinos adquiridos, estão a tilápia, o tucunaré, o bagre e outros peixes de água doce que são criados em tanques escavados nas propriedades, seja para a venda de carne ou para atividades de lazer, como “pesque-pague”.

O técnico da Emater-MG conta que a tilápia é a espécie mais comum, mas o tucunaré, apesar de não ser nativo das bacias hidrográficas do Sudeste e do Sul, vem despertando bastante interesse, principalmente nas atividades recreativas. “O pessoal aprecia muito o tucunaré na pesca esportiva, pois ele oferece bastante resistência na hora da pesca, o que torna a atividade mais interessante. Mas, como é um peixe carnívoro, é preciso tomar cuidado com o tamanho que o tucunaré atinge, pois, se estiver num tanque com outras espécies menores, como a tilápia ou o lambari, pode comer os outros peixes, causando prejuízos”, alerta Leite. A carne do bagre também é apreciada por alguns produtores, que costumam fazer a engorda desses peixes para consumo próprio ou venda em pequena escala.

A vantagem da compra conjunta é a redução de custos. A quantidade adquirida por cada produtor varia bastante, desde 50 unidades, até mais de mil alevinos. Para alguns produtores de pequeno porte, se fossem comprar individualmente, nem compensaria a viagem até Poço Fundo, onde fica fornecedora dos alevinos.

A piscicultura é uma atividade muito tradicional na região, que é rica em água, com várias nascentes nas propriedades. Com isso, os produtores acabam tendo mais facilidade em desenvolver a criação de peixes, que é feita em tanques escavados, seguindo todas as normas da legislação ambiental, como destaca o técnico da Emater-MG.

Rhaony Leite conta com o apoio da coordenação regional da Emater-MG, em Pouso Alegre, para as orientações técnicas aos piscicultores, como a indicação dos peixes mais adaptados à região. Algumas espécies, principalmente as nativas da região Norte do País, como o tucunaré e o pirarucu, são mais sensíveis ao frio. Então, o próximo inverno será uma oportunidade para avaliar a adaptação das espécies ao Sul de Minas, onde as temperaturas costumam baixar muito nesta época do ano.

Consolação integra o chamado Circuito das Serras Verdes, que reúne 20 municípios incrustrados na Serra da Mantiqueira, no Sul do estado. A altitude média nos municípios é de 1,2 mil metros. A região é famosa pelo clima ameno e pelas belas paisagens, que favorecem as atividades ao ar livre.

Em Consolação, as atividades agrícolas são a principal fonte de renda. Há muitos pecuaristas, com rebanhos de leite e corte, além da produção de café e morango, de acordo com Leite.

Diversificação

O pecuarista Marcel Teófilo é um dos que aderiram ao projeto de compra conjunta de alevinos. Ele decidiu partir para a criação de peixes como alternativa de renda para sua propriedade, que tem como atividade principal a produção de leite. “Comprei um pouco só de alevinos de tilápia, para avaliar se a piscicultura vai ser viável. Vou ver se dá pra ganhar um dinheirinho a mais, se compensa a despesa. Se não der certo, pelo menos vamos ter um peixinho para a alimentação da família. É muito bom pra saúde”, argumenta.

O projeto implementado pela Emater-MG tem a parceria da Prefeitura de Consolação. A expectativa, dependendo do interesse dos produtores, é ampliar as compras conjuntas para outros animais, como pintinhos de corte e pintainhas de postura, para incentivar também a avicultura.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink