Milho da Bahia em foco na reunião da Câmara Setorial

Agronegócio

Milho da Bahia em foco na reunião da Câmara Setorial

Apesar de englobar questões de interesse nacional, foi o contexto regional do Oeste da Bahia que centralizou os temas
Por: -Janice
1701 acessos
Na manhã desta quarta-feira (1º), outra reunião importante teve a Bahia Farm Show como palco. Desta vez, congregando representantes de diversos segmentos da cadeia do milho, na 13º Reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Milho e Sorgo (CSCMS) do MAPA, que foi realizada pela primeira vez na feira. Na pauta do encontro, presidido, no primeiro momento, pelo representante da Organização das Cooperativas do Brasil (OCB), Odacir Klein, e, na sequência, pelo vice-presidente da Aiba e secretário executivo da Câmara Setorial dos Grãos do Estado da Bahia, Sergio Pitt, estiveram temas da conjuntura do mercado de milho em 2011.

Apesar de englobar questões de interesse nacional, foi o contexto regional do Oeste da Bahia que centralizou os temas, trazendo ao debate os problemas enfrentados pelos produtores do cerrado baiano em razão da logística deficitária e da falta de políticas públicas apropriadas de fomento ao cultivo de milho na região. Estas questões, de acordo com Sérgio Pitt, são o cerne de um grave problema que ameaça a sustentabilidade da agricultura regional.

“Hoje a participação do milho na matriz produtiva do Oeste está muito aquém do que é recomendado pelos técnicos, tanto para a rotação de cultura quanto para proporcionar o plantio direto. O milho ocupa apenas 8% da matriz, quando o desejável seria pelo menos o dobro deste percentual”, analisa Pitt.

De acordo com Pitt, o desvio padrão da participação do milho no Oeste frente à participação do cereal na matriz brasileira se justifica por motivos como a ausência, durante muito tempo, da avicultura e da suinocultura na região, assim como da agroindústria. “Neste sentido, os primeiros projetos estão sendo implantados, ou entraram recentemente em funcionamento nos últimos anos”, informa.

Pitt também atribuiu a baixa participação do milho do Oeste na matriz da região à segurança gerada ao produtor, desde o início da ocupação do cerrado da Bahia, pela cadeia produtiva da soja em detrimento do milho. “Durante muito tempo, a capacidade instalada de beneficiamento da soja chegou a ser muito maior que capacidade de produção”, disse o secretário executivo da Câmara de Grãos da Bahia.

“Além desses fatores, as distorções nos mecanismos de subvenção do Governo Federal desanimaram o produtor do Oeste baiano, assim como os preços, que por muito tempo estiveram abaixo do mínimo estipulado pelo governo.

Intercâmbio entre Câmaras

Na ocasião, foram apresentadas para a câmara setorial nacional as propostas a curto e médio prazo da câmara baiana para o milho do estado. O secretário da Agricultura, Eduardo Salles, que participou da abertura da reunião, enfatizou os esforços que vêm sendo feitos pelo Governo do Estado tanto para estimular a agroindustrialização, como para atrair investidores dispostos a fazer parcerias para solucionar problemas logísticos como é o caso dos chineses.

“Os chineses precisam de garantia de alimento com escala e qualidade e estão dispostos a investir em países produtores, seja na construção de portos, estradas, armazéns e outros, com possibilidade de joint ventures com governo e iniciativa privada. O Oeste da Bahia leva vantagem tanto pelas suas marcas recordes de produtividade e produção, como pela cultura de cooperativismo e associativismo que se vê aqui, e que facilita esse tipo de parceria”, afirmou Eduardo Salles.

Durante a reunião, ficou acertada a confecção de duas cartas da câmara baiana à câmara do MAPA. Um delas, reforçando o cumprimento da resolução do Banco Central número 3865/10, que dispõe sobre ajustes nas normas de financiamento de custeio e de comercialização com recursos do crédito rural, a partir da Safra 2010/2011. A outra carta solicitará informações sobre as demandas protocoladas pelos produtores baianos, via Câmara Setorial dos Grãos estadual, na Conab, pleiteando investimento pela Conab em estrutura logística na região, tanto de armazenamento, como de atendimento, vez que o Oeste do estado está situado a cerca de 900 km da capital Salvador, onde se encontra a superintendência da Conab.

As informações são da assessoria de imprensa do evento.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink