Milho fecha em alta pelo sexto dia na B3
CI
Imagem: Eliza Maliszewski
BOLSA DE MERCADORIAS

Milho fecha em alta pelo sexto dia na B3

Em Chicago o milho fechou em alta sobre dúvidas quanto ao plantio nos Estados Unidos e maior demanda
Por: -Leonardo Gottems

O milho volta a fechar em alta, pelo 6º dia consecutivo na Bolsa de Mercadorias (B3), mas ainda não recuperou o que perdeu, de acordo com informações divulgadas pela TF Agroeconômica. “Puxados, novamente, pela alta em Chicago (que pode incentivar as exportações e, com isto iniciar uma disputa pelo grão e elevar as cotações) e pelas compras de oportunidade dos investidores as cotações do milho no mercado futuro de São Paulo voltaram a fechar novamente em alta, nesta quarta- feira", comenta.

“Como se pode ver no gráfico ao lado, os preços tinham caído excessivamente e estão, aos poucos, retornando ao seu ponto de equilíbrio, mais próximos dos R$ 100,00/saca, embora não tenham força, pelo menos neste momento para subir muito mais que isto. Com isto, todas as cotações do dia fecharam novamente em alta, nesta quarta-feira: o vencimento maio/22 foi cotado à R$ 91,91, alta de R$ 1,14/saca no dia e de R$ 3,85 nos últimos 5 pregões (semana); julho/22 fechou a R$ 93,01, alta de R$ 1,07 no dia e de R$ 4,51 na semana; setembro/22 fechou a R$ 93,76, com alta de R$ 1,00 no dia e de R$ 4,48 na semana e novembro/22 fechou a R$ 95,05 com alta de R$ 1,01 no dia e de R$ 4,35 na semana”, completa.

Em Chicago o milho fechou em alta sobre dúvidas quanto ao plantio nos Estados Unidos e maior demanda. “A cotação do milho para maio22 fechou em alta de 1,37% ou 11,0 cents/bushel a $ 815,0. A cotação de julho22, importante para as exportações brasileiras, fechou em alta de 1,19% ou $ 9,50 cents/bushel a $ 809,25”, indica.

“Condições climáticas levantam dúvidas sobre o andamento do plantio em áreas-chave dos EUA. Por outro lado, o prolongamento da guerra deve gerar maior demanda para EUA e Brasil. No mercado brasileiro cresce a preocupação com o clima adverso e o possível impacto na produção da Safrinha”, conclui.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.