Milho inicia semana em baixa na B3
CI
Imagem: Nadia Borges
VALORES

Milho inicia semana em baixa na B3

Em Chicago as inspeções de exportação decepcionam
Por: -Leonardo Gottems

O mercado futuro do milho na B3 iniciou a semana em baixa, com números de importação cada vez maiores, de acordo com informações divulgadas pela TF Agroeconômica. “Por mais um dia, o movimento de correção da Bolsa de Mercadorias, além de se basear em uma realização de lucros, voltou-se ao mercado importador. A paridade de importação vem sendo o principal termômetro neste momento”, comenta. 

“Dados  divulgados  pelo Secex  mostram  que  de  janeiro  até  julho  o  Brasil  já acumulou  1.081  milhão  de  toneladas  importadas,  o que representa um salto de 112,6% em relação ao ano passado. Ainda, de acordo com o órgão, os principais países  de  origem  são  Paraguai  (71%  do  total), Argentina  (28%),  Estados  Unidos  (1,1%)  e  África  do Sul (0,025%). As  cotações  fecharam  este  início  de  semana  da seguinte  forma:  setembro/21  a  R$  97,30  (-0,36%); novembro/21  a  R$  97,66  (-0,62%);  janeiro/22  a  R$ 99,44 (-0,31%) e março/22 a R$ 98,70 (-0,31%)”, indica. 

Em Chicago as inspeções de exportação decepcionam. “Realização  de  lucros  pelos  fundos,  em  dia  de desarmamento  de  posições  compradas  em commodities  em  geral.  Além  disso,  as  chuvas  teriam beneficiado as safras nas regiões produtivas dos EUA. Os  embarques  semanais  abaixo  do  esperado causaram certa decepção no lado da demanda. O  complexo  agrícola  dos  EUA  abriu  a  semana  sob pressão,  antes  da  atualização  mensal  do  USDA  para seu influente relatório Wasde”, completa. 

“Por volta do  fechamento, o  contrato do mês  anterior em  setembro  estava  $  0,04/bu  mais  baixo  para  $ 5,51/bu,  com  dezembro  caindo  $  0,03/bu  para  $ 5,53/bu. Com poucos condições de clima quente observadas no meio-oeste durante a maior parte do fim de semana, os  preços  ainda  estavam  sob  pressão  em  meio  à queda nos futuros de trigo e soja.  Além disso, as inspeções de exportação entraram em colapso semana após semana, já que o noroeste do Pacífico dos EUA não entregou nenhum volume e a atividade do Golfo dos EUA desmoronou”, conclui. 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.