Milho para exportação segue aumentando de preços
CI
Imagem: Pixabay
MERCADO INTERNACIONAL

Milho para exportação segue aumentando de preços

Em relação ao milho paraguaio, foi visto negócio somente no mercado interno
Por: -Leonardo Gottems

Alta do milho na Bolsa de Chicago continua elevando os preços FOB no Brasil, de acordo com informações da TF Agroeconômica. “Os preços FOB do milho brasileiro em Santos/Tubarão fecharam: agosto recuaram para US$ 265/t; setembro também recuou para US$ 265, outubro manteve US$ 298, novembro subiu para US$ 278 e dezembro para US$ 278/tonelada. Para embarques em Barcarena e Itaqui-MA, setembro não foram cotados hoje”, comenta.

Em relação ao milho paraguaio, foi visto negócio somente no mercado interno, com milho de baixo padrão. “Alguns negócios de milho com baixo padrão de qualidade para a indústria local foram vistos. O preço da FAS Assunção continuou em níveis próximos a 200,00 U$D/MT, mas sem ofertas fechadas”, completa.

Na Argentina os preços avançaram com as altas de Chicago. “Os preços do milho argentino que utilizam navios Handysize nos portos do UpRiver avançaram para os embarques de agosto a US$ 247/t e para os embarques de setembro, para US$ 249/t. Outubro avançou para US$ 263/t, novembro a US$ 265 e dezembro a US$ 267/t. Safra nova, abril foi cotado a US$ 244/t. Para os embarques em navios Panamax, nos portos oceânicos de Bahia Blanca e Necochea, não houve cotação”, indica.

“O relatório semanal de acompanhamento das culturas, divulgado hoje pelo USDA, registrou que a soma da média das condições boa + excelente no país recuou 3. p.p. para 61%, contra 64% da semana passada e 54% na média dos últimos cinco anos. Nas carnes, Brasil exportou em 16 dias úteis de julho (até o dia 22) 129,6 mil toneladas de carne bovina fresca, refrigerada ou congelada, com média diária de 8.104 toneladas, de acordo com dados preliminares da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), do Ministério da Economia. Este volume é 7,7% maior do que o verificado em igual mês do ano passado, de 7.523 toneladas por dia”, conclui.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.