Minas reafirma liderança no mercado mundial de café
CME MILHO (DEZ/20) US$ 4,200 (0,72%)
| Dólar (compra) R$ 5,63 (0,59%)


Agronegócio

Minas reafirma liderança no mercado mundial de café

Receita é a mais alta nos primeiros oito meses desde 2001
Por: -Janice
1637 acessos

Receita é a mais alta nos primeiros oito meses desde 2001

As exportações mineiras do complexo café (grão e solúvel), no período de janeiro a agosto de 2010, alcançaram receita recorde na comparação dos resultados obtidos pelo Estado em cada um dos períodos acumulados dos oito primeiros meses do ano desde 2001. Esta é uma das conclusões da Superintendência de Política e Economia Agrícola (Spea) da Secretaria da Agricultura de Minas após avaliar os dados divulgados pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC/Secex).

De acordo com Márcia Aparecida de Paiva Silva, assessora técnica da Spea, o valor alcançado pelas exportações estaduais do café, até agosto de 2010, foi de US$ 2,2 bilhões, 26,3% superior ao registrado no mesmo período de 2009. “O grande sucesso das vendas externas nesse segmento é decorrente do crescimento das exportações de café em grão, que representou cerca de 99,5% das exportações mineiras do complexo café, nos primeiros oito meses de 2010. O crescimento da receita de exportação do grão foi de 27,0% ante o período de janeiro a agosto de 2009”, ela explica.

A assessora ainda considera que o fato de Minas ter a maior parte de sua produção, cerca de 99,0%, destinada ao café arábica contribui para a significativa exportação do grão frente ao café solúvel – fabricado a partir da variedade robusta. “As exportações mineiras fazem do Estado o maior exportador mundial de café em grão, respondendo por 78,5% das exportações nacionais.”

Principais destinos

Os seis principais países de destino do café em grão mineiro em 2009 – Alemanha, Estados Unidos, Itália, Japão, Bélgica e Espanha – mantiveram as suas posições em 2010, com captação de 70,4% das exportações mineiras do produto no período de janeiro a agosto. Márcia Silva diz que aqueles destinos das exportações mineiras apresentaram crescimento das importações, entre os primeiros oito meses de 2009 e 2010. Destaca-se o incremento das aquisições dos Estados Unidos – tradicional mercado consumidor de café – que foi de 35,2%, chegando a US$ 428,9 milhões em 2010.

Os preços em alta do café contribuíram para o crescimento da receita de exportação do grão. A assessora observa que, segundo informações da Organização Internacional de Café (OIC) apesar de uma produção maior em vários países, o aumento do preço indica alguma incerteza relacionada aos problemas de oferta no curto prazo. “É válido ressaltar que a melhor remuneração é direcionada ao grão de qualidade superior, considerado escasso no mercado internacional”, assinala.

Produção global

O incremento da produção mundial é sinalizado em 11,2%, comparando-se as safras 2009/2010 e 2010/2011, de acordo com informações do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (Usda). Para o período 2010/2011, a produção global é estimada em 139,7 milhões de sacas de 60 quilos, maior volume desde o início da década de 1960.

De acordo com Márcia Silva, o aumento da produção de café arábica, que deve responder por 61,5% da produção mundial do grão, em 14,4%, contribui para o crescimento do volume mundial. O café robusta, por sua vez, deve registrar acréscimo na produção de 6,4%, chegando a 53,7 milhões de sacas de 60 quilos.

Em termos de estoques, são previstos incrementos de 16,0% entre as safras 2009/2010 e 2010/2011, quando o volume estocado deve chegar a 36,3 milhões de toneladas. A União Europeia – que responde por maior parcela dos estoques mundiais (47,4%) – estima incremento em seus estoques de 3,0%. No grupo dos demais países que se destacam em termos de estoque – Brasil, Estados Unidos e Vietnã – a previsão também é de acréscimo.

Força do arábica

O Brasil é o maior produtor mundial de café, respondendo por 39,6% da produção mundial de arábica e robusta. Somente na variedade café arábica, a produção brasileira atinge 48,6% da produção global, e em seguida a produção da Colômbia responde pela parcela de 10,5%.

A produção brasileira, segundo dados da Conab, é estimada em 47,2 milhões de sacas, 19,6% maior que o volume registrado na safra anterior. Minas Gerais é o maior Estado produtor e responde por 52,3% da produção nacional, equivalente a 24,7 milhões de sacas. Em comparação à safra anterior, de bienalidade negativa, a produção mineira apresenta crescimento de 24,7%.

O crescimento da safra estadual é impulsionado pelo aumento da produção das regiões Sul e Centro-Oeste – que respondem por quase metade da produção mineira – e do Cerrado – segundo maior produtor – em 27,3% e 38,3%, respectivamente. A bienalidade positiva da cultura e as boas condições climáticas justificam o aumento da produção nas regiões do Estado.

“Pela análise conjuntural do mercado de café, percebe-se que as boas condições de preços, verificadas nos últimos meses, favoreceram a exportação do produto, o que trouxe ainda maior atratividade para a cultura”, ressalta Márcia Silva. “O fato a considerar é a continuidade deste cenário, visto que a comercialização da safra 2010/2011 exigirá certa cautela em virtude da elevada oferta, que poderá pressionar os preços para baixo. É hora de planejar para administrar os bons tempos, priorizando sempre a produção de qualidade, que possibilita preços maiores”, finaliza a assessora.

As informações são da assessoria de imprensa da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais.

Anúncios que podem lhe interessar


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink