Ministro confia na recuperação da agricultura em 2007

Agronegócio

Ministro confia na recuperação da agricultura em 2007

A perspectiva de recuperação da agricultura foi a tônica do pronunciamento do ministro Guedes Pinto
Por: -Assessoria de Imprensa
3 acessos

A perspectiva de recuperação da agricultura brasileira em 2007 foi a tônica do pronunciamento do ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Luís Carlos Guedes Pinto, na abertura da reunião conjunta do Conselho Nacional de Política Agrícola (CNPA) e do Conselho Nacional do Agronegócio (Consagro), realizada ontem (06-12) à tarde no Palácio do Itamaraty, em Brasília.

Guedes lembrou que, contrariando previsões que apontavam queda na produção agrícola deste ano, o que houve foi uma recuperação que já garante uma safra superior a do ano passado. Para o ministro, o resultado se deve à melhoria dos preços dos principais produtos no mercado internacional, ao clima e às políticas implementadas pelo Mapa, como a prorrogação de R$ 20 bilhões em dívidas dos produtores e o apoio à comercialização de 23,8 milhões de toneladas de grãos com o aporte de R$ 2,5 bilhões de recursos oficiais.

Ele afirmou que nos últimos quatro anos o país duplicou o valor das exportações, gerando um superávit de US$ 41 bilhões, que representa 90% do saldo da balança comercial brasileira. Comentando as críticas segundo as quais o aumento da produção agrícola no Brasil se dá em prejuízo da preservação ambiental, Guedes explicou que o país pode até triplicar sua produção sem derrubar nenhuma árvore, lembrando que a produção de soja e de carne bovina é muito pequena na Amazônia. Segundo ele, o desmatamento naquela região foi reduzido em 50% no ano passado e deve cair outros 40% este ano.

Após afirmar que já concluiu o relatório dos últimos quatro anos, ele elencou as prioridades do Mapa para a próxima gestão entre elas o controle sanitário, agroenergia, qualidade, rastreabilidade e certificação, novos instrumentos de política agrícola e seguro rural e desenvolvimento sustentável.

Entre os principais desafios, o ministro citou a questão da infra-estrutura logística (precariedade do transporte rodoviário, ferroviário e hidroviário, bem como a necessidade de reaparelhamento dos portos), a questão sanitária e a política de subsídios à produção agrícola dos países desenvolvidos, que impõe uma concorrência desleal aos produtos brasileiros.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink