Ministros de Agricultura do Caribe conhecem tecnologias para horticultura tropical na Embrapa Hortaliças

Horticultura

Ministros de Agricultura do Caribe conhecem tecnologias para horticultura tropical na Embrapa Hortaliças

Visita à Embrapa com o objetivo de visualizar os resultados de pesquisas para o aperfeiçoamento e a tropicalização da produção de hortaliças
Por:
92 acessos

Com o objetivo de visualizar os resultados de pesquisas para o aperfeiçoamento e a tropicalização da produção de hortaliças com foco na agricultura familiar, ministros e secretários de Agricultura de países do Caribe incluíram uma visita à Embrapa Hortaliças (Brasília/DF), nessa terça-feira (13), na agenda que cumprem, entre os dias 12 e 16 de março, no Brasil e na Argentina.

Os ministros e vice-ministros de Antígua e Barbuda, Dominica, São Cristóvão e Nevis, São Vicente e Granadinas, Santa Lúcia, Bahamas, Guiana, Haiti, Jamaica, República Dominicana e Suriname integram uma missão liderada pelo Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA) e, além do acesso a novas tecnologias, pretendem estabelecer uma rede de parceria e cooperação para solucionar problemas comuns aos países caribenhos como segurança alimentar e vulnerabilidade às mudanças climáticas.

“Reconhecemos o potencial que o Brasil tem para oferecer auxílio para os países caribenhos, que são especializados em serviços e turismo, e não possuem uma estratégia agropecuária. Por isso, buscamos na Embrapa, um dos centros de conhecimentos mais importantes do mundo, tecnologias que possam amenizar a situação complexa vivenciada nessa região”, comenta o argentino Manuel Otero, diretor-geral do IICA, ao destacar que as hortaliças são um componente fundamental para entregar mais segurança alimentar para eles.

Como esses países são muito suscetíveis a fenômenos meteorológicos extremos, entre outros efeitos das mudanças climáticas, há consequências negativas para a produção de alimentos. Sendo assim, a programação contemplou uma visita a uma câmara de crescimento vegetal, um equipamento que auxilia a pesquisa na simulação de diferentes variáveis climáticas (temperatura, umidade, intensidade luminosa e concentração de oxigênio no ar), com intuito de desenvolver plantas mais resistentes. “A partir da projeção de cenários climáticos adversos, é possível selecionar os materiais genéticos mais adaptados ao estresse hídrico ou mais tolerantes às altas temperaturas”, exemplifica o pesquisador Ítalo Guedes, da Embrapa Hortaliças.

Nos campos experimentais da Unidade de Pesquisa, os ministros e representantes caribenhos também observaram o cultivo protegido e o cultivo hidropônico de hortaliças, que viabilizam a produção mesmo diante de condições ambientais desfavoráveis, como chuvas excessivas, ou escassez de recursos naturais como água e solo. “Nós estamos buscando implementar tecnologias para o cultivo protegido de hortaliças no nosso país, não somente por causa da insegurança alimentar, mas em especial porque enfrentamos problemas como degradação do solo e baixa disponibilidade de terra”, comenta Colette Blanchet, da diretoria de cooperação técnica internacional do Ministério da Agricultura do Haiti, ao ressaltar o interesse em tecnologias simples que permitam produzir mais alimento com menor uso da terra.

A hidroponia e o cultivo protegido também foram destacados na fala do ministro da Agricultura de São Cristóvão e Nevis, Alexis Jeffers. “Estamos interessados em tecnologias inovadoras e práticas agrícolas inteligentes que possam cativar e reter os jovens no meio rural. Eu acredito que a hidroponia em estufas pode estimular o interesse e manter a juventude engajada na agricultura”, ponderou ao sinalizar que pretende aplicar em seu país, e espera que no Caribe como um todo, técnicas que permitam assegurar a sustentabilidade. “Segundo os objetivos do desenvolvimento sustentável da ONU, temos o compromisso de eliminar a fome até o ano de 2030 e, certamente, o conhecimento que estamos adquirindo aqui no Brasil será uma plataforma para seguirmos adiante e alcançar nossos objetivos”, afirmou.

Na estação de adubação orgânica, a comitiva acompanhou as etapas do processo de compostagem com base no aproveitamento de resíduos orgânicos que se transformam em adubos para as lavouras de hortaliças. Esse assunto despertou o interesse do grupo, especialmente porque os países não tem amplo acesso aos fertilizantes minerais, geralmente importados e, com isso, enfrentam dificuldades na nutrição de plantas. Por fim, o grupo concluiu a visita com uma ida ao campo de batata-doce, uma cultura rústica pouco dependente de insumos agrícolas e amplamente adaptada às condições tropicais e à agricultura familiar.

Diálogo para cooperação Sul-Sul

Além dos ministros e secretários de governo dos países caribenhos, participaram da missão representantes da Comunidade e Mercado Comum do Caribe (Caricom), da Organização dos Estados do Caribe Oriental (OECS) e do Instituto Caribenho de Pesquisa e Desenvolvimento da Agricultura (Cardi). Em um painel realizado na sede do IICA, em Brasília, na segunda-feira (12), foi possível debater aspectos da cooperação Sul-Sul entre Brasil e Caribe, bem como políticas públicas nacionais adotadas para a agricultura familiar e sua relação com a segurança alimentar e nutricional.

“Nossa proposta é construir pontes entre os países e as regiões da América, principalmente o Caribe, que vivencia problemas muito sérios que põem em risco a viabilidade como nações. Entendemos que no Brasil há um acúmulo de conhecimento, boas práticas e tecnologias que poderiam ser direta ou indiretamente adaptadas às condições dos países caribenhos”, assinala Otero, ao pontuar que se trata de um processo gradual, mas que a filosofia de transformar juntos, em redes de parceria, é um princípio fundamental da cooperação Sul-Sul.

As autoridades ainda visitaram a Central de Abastecimento do Distrito Federal (Ceasa) para conhecer a logística de distribuição e comercialização dos alimentos e detalhes do programa de aquisição de alimentos (PAA), que se tornou exemplo de política pública para a compra de produtos da agricultura familiar. Antes de a missão seguir viagem para Argentina, os ministros caribenhos reuniram-se com o titular da pasta de Desenvolvimento Social, com o diretor-geral do IICA e com líderes da bancada parlamentar brasileira do agronegócio.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink