Minuano amplia paralisação nas indústrias avícolas

Agronegócio

Minuano amplia paralisação nas indústrias avícolas

Por:
180 acessos

Depois da Perdigão, ontem foi a vez da Minuano, também em Lajeado, parar. A empresa, que presta serviços à Sadia e tem 2,1 mil funcionários, paralisou o segundo turno. O presidente da Federação dos Trabalhadores nas Indústrias da Alimentação, Cairo Reinhardt, informou que hoje deve ser deflagrada greve em planta de Caxias do Sul.

Um incidente marcou o ato de ontem. Enquanto o Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias de Alimentos de Lajeado queria fazer assembleia em frente ao abatedouro, a Minuano queria que os ônibus com funcionários fosse para o pátio. Os manifestantes não abriram mão de ficar do lado de fora. As reivindicações na Minuano são as mesmas da Perdigão: reajuste de 7,8% e piso inicial. Os sindicalistas não receberam contra-proposta além da já rejeitada, de reajuste de 4,9% em maio e 1% em setembro. A greve não tem prazo para acabar. A adesão na Minuano é de 80% e, na Perdigão, de 90%. Ontem, a Perdigão encaminhou documento em que oferta reajuste de 5,83% e divulgou comunicado, alegando que a negociação vem sendo postergada por dirigentes sindicais.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink