MP do Pará rejeita contra-proposta de frigoríficos

Agronegócio

MP do Pará rejeita contra-proposta de frigoríficos

Os frigoríficos já sentem no caixa o impacto da ação
Por:
205 acessos

O Ministério Público Federal (MPF) do Pará rejeitou ontem a contra-proposta enviada esta semana pela União das Indústrias Exportadoras de Carne (Uniec), em resposta à recomendação do órgão para a interrupção imediata da compra de frigoríficos do Estado que contribuem para o desmatamento da Amazônia.

"Essas questões já são responsabilidade legal do Estado, não há novidade nisso. O que seria novidade seria o setor produtivo reconhecer o ônus de sua atividade e se comprometer com controles, garantir que as compras serão interrompidas se os fornecedores não obtiverem a regularização", diz o procurador Daniel Avelino, um dos responsáveis pela negociação.

Além disso, diz o ofício do MPF, maior parte dos dispositivos da contra-proposta preveem exigências genéricas, que não resultam em compromissos objetivos para as especificidades da lei ambiental aplicada ao setor, e dificultam a verificação do seu cumprimento.

Os frigoríficos já sentem no caixa o impacto da ação. O Bertin, por exemplo, registrou perda de quase R$ 50 milhões por deixar de abater 30 mil animais. O frigorífico alega que as propriedades embargadas não constam da "lista negra" do Ibama, a única forma oficial de se averiguar se a fazenda está de acordo com a lei.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink