MS fiscaliza qualidade sanitária de alimentos de origem animal e vegetal

Agronegócio

MS fiscaliza qualidade sanitária de alimentos de origem animal e vegetal

Ação busca garantir que o alimento destinado ao consumo esteja qualificado
Por:
1561 acessos
Para assegurar a qualidade do alimento de origem animal e vegetal comercializado e produzido em Mato Grosso do Sul, o governo do Estado, através da Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal (Iagro) e Delegacia do Consumidor (Decon), realiza a fiscalização em todo o Estado. Segundo a diretora-presidente da Iagro, Maria Cristina Carrijo, a ação busca evitar fraudes que podem vir a ser praticadas e garantir que o alimento destinado ao consumo esteja qualificado com toda a documentação e condições de armazenamento que evidenciam boas condições até que chegue ao consumidor final.


Conforme o delegado titular da Decon, Adriano Garcia Geraldo, em todo o ano passado a ação conjunta chegou a apreender mais de 24 toneladas de alimentos impróprios para o consumo em todo o Estado. “São produtos que colocam em risco a saúde do consumidor e à Decon também compete a investigação do crime”, afirma o delegado. A coordenação das fiscalizações é outra tarefa da qual a Decon fica responsável nas ações.

“Focamos este trabalho principalmente em regiões de onde mais recebemos denúncias. Com estas informações buscamos realizar uma ação sanitária envolvendo toda a região”, explica a diretora-presidente do Iagro.

Ainda segundo Maria Cristina Carrijo, a fiscalização é importante porque evita que chegue ao consumidor alimentos de origem animal ou vegetal que estejam em más condições de condicionamento e que não apresentam garantia legal de origem segura. “Porque nestes alimentos é mais provável a proliferação de bactérias que são nocivas à saúde do consumidor e podem até mesmo causar a morte de quem consome”, observa.


A diretora-presidente lembra que as fiscalizações se focam tanto no comércio quanto em fábricas de alimentos onde são encontradas irregularidades de todos os tipos, como falsificação de selos sanitários e mal condicionamento. “As penalidades variam entre os casos: podem ir de uma simples repreensão até o fechamento do estabelecimento”, diz Carrijo.

Delegado da Decon, Adriano lembra ainda que a ação também é realizada com barreiras nas estradas para abordagem durante o transporte destes alimentos. Segundo o titular da Delegacia do Consumidor, nas últimas semanas já foram realizadas fiscalizações no posto da Polícia Rodoviária Estadual da saída para São Paulo, em Campo Grande e no posto da Polícia Rodoviária Federal em Jaraguari. Novas ações estão em andamento e planejadas. O delegado diz que um balanço destas fiscalizações deve ser divulgado nos próximos dias.


Maria Cristina Carrijo ressalta que as fiscalizações buscam somente evitar a prática de irregularidades, porém o maior interesse da Iagro é que os comerciantes e produtores de alimentos de origem animal e vegetal estejam adequados às regras sanitárias. “Por isso a Iagro está à disposição para atender em qualquer caso de dúvida. Para esta demanda temos disponíveis agências em todos os municípios com técnicos qualificados para o atendimento”, completa.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink