MT ganha status de novo celeiro da produção agrícola

Agronegócio

MT ganha status de novo celeiro da produção agrícola

O Vale do Araguaia contempla atividades como pecuária, agricultura, turismo e a agroindústria
Por:
1 acessos

De Vale dos Esquecidos a ex-projetos políticos divisionistas da região, o Vale do Araguaia despertou, no Governo Blairo Maggi, o status de sua verdadeira vocação: a de uma região com imenso potencial econômico onde o Estado se faz presente com obras de infra-estrutura que garantem o escoamento da produção. Mais: parceria dos prefeitos, por meio dos consórcios intermunicipais de desenvolvimento econômico e socioambiental, estão devolvendo a esperança aos gestores públicos para fomentar as atividades econômicas de diversas cadeias produtivas.

Com atividades econômicas como a pecuária, a agricultura, o turismo e a agroindústria, essa região do Estado, formada por 31 Municípios e uma população estimada em 330 mil habitantes, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), caminha a passos largos para o progresso.

São atividades como a piscicultura, fruticultura, avicultura e suinocultura, dentre outras, que a caravana do Estradeiro do Desenvolvimento Regional está identificando na região, em visita de secretários de Estado e instituições como o Banco do Brasil e Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM). “O Vale do Araguaia tem uma vocação extraordinária para o agronegócio. Temos que fazer as coisas acontecerem aqui mesmo, encontrar soluções e alternativas aqui mesmo. A nossa função é ir ao encontro dessas demandas”, assinalou o secretário de Projetos Estratégicos Clóves Vettorato.

A região do Araguaia tem 250 mil famílias de pequenos produtores e conta com um rebanho de mais de 1,5 milhão de cabeças de gado. Na agricultura, tem uma oferta de mais de 2 milhões de hectares já abertos, sendo possíveis de se incorporarem à produção via reforma de pasto ou mudança simples para a agricultura.

Contudo, avaliam lideranças políticas e empresariais da região. Há gargalos que emperram a atração de investimentos. E uma das críticas contumazes continua sendo o asfaltamento das rodovias federais 158 e 070. “Nosso potencial hoje é para todas as áreas. Precisa-se de fomento e assistência técnica”, disse em São Félix do Araguaia o deputado Adalto de Freitas (PMDB), o Daltinho, que acompanha a comitiva.

De acordo com estudo da Agência de Desenvolvimento dos Empreendedores do Tocantins-Araguaia (Apamara), as principais características econômicas da região são: Detém o maior crescimento de área plantada do Brasil, nos últimos dois anos; As principais empresas exportadoras estão instalando armazéns com capacidade total de 250 mil toneladas; As culturas de soja, algodão, milho e arroz estão em ascensão; A capacidade de beneficiamento de arroz, na região, é superior a 60 mil toneladas por mês.

A Amapara aponta ainda outras potencialidades relevantes: Está se formando um pólo sucro-alcooleiro, com usina de produção de 20 milhões de litros de álcool por ano e, em breve, será inaugurada uma usina de biodiesel, com a utilização de mamona; Tem como espinha dorsal a BR-158, que, neste ano, receberá recursos para a continuidade do seu asfaltamento. No Pará, a rodovia está sendo restaurada; Terá, ainda consolidado o Corredor de Exportação Centro-Norte.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink