MT tem potencial para aumentar produção leiteira
CME MILHO (DEZ/20) US$ 4,170 (1,12%)
| Dólar (compra) R$ 5,59 (-0,36%)


Agronegócio

MT tem potencial para aumentar produção leiteira

FAMATO divulga o primeiro Diagnóstico da Cadeia Produtiva no Estado
1543 acessos
Mato Grosso possui 20,9 mil propriedades leiteiras que produzem em média 92,6 litros de leite por dia. O estado responde por 2,3% da produção nacional, ocupando a 10ª posição no ranking brasileiro. Em 2010, Mato Grosso produziu 707,10 milhões de litros de leite, volume 8% superior ao registrado em 2008 (665,55 milhões de litros). Embora a participação do estado no ranking brasileiro ainda seja tímida, a produção é maior do que em outros estados como Pará, Mato Grosso do Sul, Rio de Janeiro, Ceará e Espírito Santo. Os dados fazem parte do primeiro Diagnóstico da Cadeia Produtiva do Leite, divulgado nesta quinta-feira (19.04), na Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato).


O estudo, realizado pelo Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) a pedido da Famato, faz um panorama geral da pecuária leiteira em Mato Grosso, com informações sobre o volume de produção, perfil dos produtores, indicadores de mercado, dados sobre as indústrias laticinistas, entre outras informações. Para isso, as equipes do Imea e da STG Consultoria, lideradas pelo professor doutor Sebastião Teixeira Gomes, percorreram os 11 municípios que concentram o maior volume de produção de leite e entrevistaram 380 produtores, 23 indústrias e 10 cooperativas. O trabalho também contou com o apoio do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar-MT) e do Serviço Nacional de Aprendizagem em Cooperativismo de Mato Grosso (Sescoop-MT).

Segundo o presidente da Famato, Rui Prado, o trabalho é uma oportunidade para produtores rurais, sociedade, estudantes, pesquisadores e representantes governamentais compreenderem como funciona a cadeia leiteira em Mato Grosso. "Embora a produção de leite ainda seja pouco explorada no Estado, ela tem grande potencial para se tornar uma das cadeias produtivas mais promissoras da região Centro-Oeste". Prado estima que para o estado se tornar o maior produtor do país nos próximos 10 anos a produção de leite terá que crescer pelo menos 27% ao ano.

Perfil dos produtores - A maioria dos produtores mato-grossenses produzem diariamente até 50 litros de leite. Mas não são estes que contribuem com o maior volume de produção. Aqueles que tiram em média 100 a 200 litros de leite/dia são responsáveis por 28% da produção no estado.


Outra característica importante é que boa parte dos produtores tem em média 50 anos de idade, escolaridade de 4,66 anos e 14,7 anos de tempo de profissão. A administração e a mão de obra da propriedade continua sendo familiar, mas apenas 40% dos filhos querem permanecer na atividade. "É por isso que temos que focar na qualificação do produtor rural, incentivar para que os filhos destes produtores permaneçam na atividade e fazer com que o governo federal invista nesta cadeia", afirmou Prado.

O estudo mostrou que o Senar-MT foi a entidade que mais promoveu capacitação aos entrevistados. Pelo menos 30% dos entrevistados já fizeram algum treinamento do Senar. "Temos um desafio pela frente: aumentar os cursos de qualificação ao produtor de leite. O Senar disponibiliza 500 treinamentos para esta atividade, mas focaremos em mais cursos, principalmente nas demandas apontadas no estudo que são alimentação do rebanho, manejo de gado, melhoramento genético e sanidade animal", complementou Prado, que também é presidente do Senar-MT.

Os resultados mostraram também que a grande maioria dos produtores não adota as práticas agronômicas recomendadas, como calagem, correção da fertilidade, adubação de cobertura e uso de defensivos. Porém, para seguir estas práticas, somente a reforma de pastagem custaria pelo menos 50% a mais do custo de produção. "Isso demonstra a importância de facilitar o acesso ao crédito para investimentos e o desenvolvimento de políticas públicas para estimular o setor", observou o presidente da Associação dos Produtores de Leite de Mato Grosso (Aproleite-MT).


De acordo com o superintendente do Imea, Otávio Celidonio, o estudo identificou que quanto maior a produção leiteira de uma propriedade maior é a rentabilidade do produtor. "E quanto maior é a propriedade leiteira, melhor também é a infraestrutura que existe nela".

Tecnologia - Conforme os dados, 82% dos entrevistados fazem a ordenha manual e 18% utilizam a mecânica. Entre os produtores que produzem até 50 litros de leite/dia, apenas 4% fizeram uso desta tecnologia. Dos que produzem de 200 a 500 litros/dia, 90% usaram a tecnologia e aqueles que fabricam acima de 500 litros/dia utilizam 100% da ordenha mecânica. As dificuldades referentes à qualidade e quantidade de mão de obra impulsionaram os produtores a mecanizarem suas ordenhas.

Outro desafio que a pesquisa apontou para a bacia leiteira de Mato Grosso foi a necessidade de aumentar a ação da assistência técnica aos produtores, visto que 83% dos entrevistados não a receberam em 2011. O presidente da Aproleite, Alessandro Casado, considera o diagnóstico uma ferramenta estratégica que auxiliará o planejamento da associação para contribuir com o desenvolvimento da cadeia leiteira.


A Famato é a entidade que reúne os 86 sindicatos rurais existentes no Estado. Junto com o Imea e o Senar, forma o Sistema Famato.

Para mais detalhes sobre o diagnóstico acesse AQUI o conteúdo da palestra.

Anúncios que podem lhe interessar


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink