Na esteira da saúde: Alta no consumo de alimentos orgânicos gera nicho atrativo para pequeno agricultor

Agronegócio

Na esteira da saúde: Alta no consumo de alimentos orgânicos gera nicho atrativo para pequeno agricultor

"O orgânico não está aí para disputar espaço com o agronegócio. É só mais um modelo de produção, mas que está mais adaptado à realidade da agricultura familiar"
Por:
430 acessos

Receba Notícias como esta por email

Cadastre-se e receba nossos conteúdos gratuitamente
Obrigado por se cadastrar
  • Enviamos a você um email de boas vindas para ativação de seu cadastro.

Um negócio que conta com previsão de alta no faturamento entre 30% e 35% para este ano em relação a 2015, que garante renda maior para o pequeno agricultor e, principalmente, menor exposição a agrotóxicos para a família dele e para o consumidor. O mercado de alimentos orgânicos cresce muito além de qualquer outra cultura rural e garante a permanência do homem no campo. Cenário em que o Paraná, mais uma vez, se destaca e desponta como o líder em número de propriedades com certificação e em produção.

De acordo com registros da Organics Brasil, entidade da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) sobre mais de mil produtos agroecológicos, a evolução do mercado de orgânicos bateu 25% no ano passado e deve superar o índice em 2016. A projeção de movimentação em 2015 aponta para R$ 350 bilhões no mundo e R$ 2,5 bilhões no País, com expectativa de ultrapassar os R$ 3 bilhões até dezembro.

Não é à toa. Existem duas pontas nesse mercado com a mesma preocupação, que é garantir a menor exposição das famílias a produtos químicos. Para os pequenos agricultores, há riscos de intoxicação na aplicação de defensivos no campo e de contaminação de nascentes de água na propriedade. Para o consumidor, aumenta o interesse em nutrição e em qualidade de vida.

O coordenador do Núcleo de Estudos de Agroecologia e Territórios (Neat) da Universidade Estadual do Norte Pioneiro (Uenp) em Bandeirantes, Rogério Macedo, afirma que os orgânicos são muito mais adaptados à realidade de propriedades familiares, que correspondem a 85% dos agricultores e a 80% do total de alimentos que vão à mesa do consumidor. "Quem tem pedaço de terra mais reduzido, que precisa usar só a mão de obra da família, que tem uma renda menor e mais dificuldade de acesso aos financiamentos em bancos, para esse produtor é que o orgânico é mais adaptado." A renda é o principal atrativo para esse produtor, diz o diretor técnico do Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), Paulo César Hidalgo. "A produção orgânica, se bem conduzida, é mais simples do que a que se usa veneno, não tem impacto ambiental, não vai intoxicar o produtor, ainda mais dentro de ambientes protegidos, de estufas, e rende de 30% a 50% acima, dependendo da espécie", diz. "Mas o que fundamenta mais (a produção agroecológica) é que o consumidor está pedindo", completa.

Mesmo assim, o mercado de orgânicos no Brasil representa menos de 1% da produção e do consumo nacionais, conforme a Organics Brasil. No Paraná, as 1.966 propriedades certificadas para a produção de orgânicos transformam o Estado em líder nacional em cadastros e em produção, segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). São 130 mil toneladas de alimentos do tipo ao ano. LENDAS
A menor oferta torna os produtos agroecológicos mais caros, em parte porque o mercado sofre com algumas lendas. Uma delas, que assusta agricultores, é a ameaça de uma produtividade menor. "A partir do momento que a estrutura está montada para a produção orgânica, o custo não é maior do que a convencional, a produtividade fica na média da convencional ou até maior e, portanto, o que temos visto é uma rentabilidade muito boa para o agricultor familiar", conta Macedo.

Outro mito, voltado a quem consome, é que os alimentos precisam ser feios, com marcas, ou não foram produzidos de forma orgânica. "É bonito, é bom, produz no mesmo patamar da convencional, então, como o valor já é maior, o que o produtor tem de fazer é se organizar para a comercialização", diz Hidalgo, sobre a falta de alimentos do tipo nos supermercados.

Com uma melhor estrutura de comércio, a expectativa é que o preço diminua na gôndola, mas sem perda de renda para o produtor, que ficará mais profissionalizado. "O consumidor urbano reclama, com razão, que às vezes o produto orgânico é mais caro. Isso é baixa oferta, porque por mais que tenhamos 1,9 mil produtores no Paraná, é pouco frente a demanda", diz o professor da Uenp.

SEM DISPUTA
Macedo considera que é preciso deixar claro que não há rixa entre o agronegócio e a produção de orgânicos, bem como o fato de a defesa de um modelo sem uso de agrotóxicos não significa desrespeito a outros modelos. "O orgânico não está aí para disputar espaço com o agronegócio, cada um tem suas características. É só mais um modelo de produção, que valoriza a organização dos produtores em associações, as compras e vendas coletivas, e que é muito mais adaptado à realidade da agricultura familiar."

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink