Nanotecnologia avalia clones de seringueira
CI
Seringueira

Nanotecnologia avalia clones de seringueira

Especialistas testam diversas propriedades da borracha fabricada com o látex de cada clone e selecionam aqueles que geraram produtos de melhor desempenho para a indústria
Por:

Pesquisadores da Embrapa Instrumentação (SP) auxiliam na seleção de clones de seringueira avaliando as qualidades técnicas de seu principal produto: a borracha natural. Os especialistas testam diversas propriedades da borracha fabricada com o látex de cada clone e selecionam aqueles que geraram produtos de melhor desempenho para a indústria.
Os resultados auxiliam programas de melhoramento genético a desenvolver clones de seringueira com alto valor agregado. Entre as linhas de pesquisa empregadas no trabalho está até a nanotecnologia, estudo em escala molecular que trabalha em dimensões cem mil vezes menores que o milímetro, também usada para o desenvolvimento de novos materiais a partir da borracha.

O trabalho científico contribuiu para a identificação de 41 novas plantas que já estão produzindo. Algumas delas apresentam alta produtividade e produção precoce. Enquanto a produção de uma seringueira convencional começa em média aos sete anos, os clones desenvolvidos em parceria com o Instituto Agronômico (IAC) começam a produzir em 5,5 anos. “Aproximadamente 70% dos clones de seringueira que estão em produção registrados para plantio hoje no País foram avaliados e selecionados com apoio do nosso trabalho,” afirma pesquisadora da Embrapa Maria Alice Martins.

A pesquisa é conduzida por especialistas em novos materiais, a fim de agregar valor ao estudo agronômico. Desde meados dos anos 1990, é a única avaliação desse tipo no Brasil. No Laboratório de Látex e Borracha Natural da Embrapa Instrumentação, os pesquisadores avaliam, caracterizam e monitoram mais de 20 propriedades tecnológicas, físico-químicas, térmicas e estruturais, fundamentais para a melhoria do desempenho do produto final.

“Todos os clones da série IAC 500 avaliados pela Embrapa Instrumentação apresentaram excelente vigor e potencial produtivo de cerca de 3.000 quilos anuais de látex por hectare, 70% superior ao clone mais plantado no estado de São Paulo, o RRIM 600, desenvolvido pelo Rubber Research Institute of Malaysia, que produz cerca de 1.400 kg por hectare no ano.” Essa é a constatação do pesquisador responsável pelo Programa Seringueira do IAC, Paulo de Souza Gonçalves, de 71 anos, 32 dos quais na instituição.

A recomendação de um clone para plantio percorre um longo caminho. São necessários cerca de 30 anos de estudos. “Por isso, quatro clones da série IAC 500 foram recomendados para plantio em pequena escala, porque continuam sendo avaliados”, informa Gonçalves.

“Antes da introdução da avaliação de desempenho tecnológico, alguns clones produziam borrachas que se degradavam com o aumento da temperatura durante o processo de produção de pneus”, conta o engenheiro de materiais Luiz Henrique Capparelli Mattoso, pesquisador da Embrapa.

“A colaboração da Embrapa no desenvolvimento da performance da borracha natural é algo único no mundo. A gente tem uma jóia. O setor produtivo precisa conhecer, demandar e apoiar mais esse trabalho, seja com interação ou mesmo com recursos”, afirma o diretor-executivo da Associação Paulista de Produtores e Beneficiadores de Borracha (Apabor), Diogo Esperante.

Em busca de novos materiais

A pesquisadora Maria Alice Martins conta que o processo de avaliação de clones também tem como objetivo prospectar novos materiais por meio da nanotecnologia. “Estamos em busca de nanocompósitos, sensores e filmes finos com propriedades superiores e específicas para aplicações com alto valor agregado na área agrícola. O trabalho da equipe do Laboratório Nacional de Nanotecnologia para o Agronegócio (LNNA) da Embrapa alia a nanotecnologia às avaliações agronômicas para desenvolvimento do setor da heveicultura”, relata a cientista que tem formação em engenharia química.

 Um estudo envolvendo uma rede pesquisadores em oito unidades da Embrapa e sete instituições federais e estaduais de pesquisa entra em segunda fase em 2019 para dar continuidade ao melhoramento genético da seringueira no Brasil.
Liderado pelo pesquisador Marcelo Fideles Braga, da Embrapa Cerrados (DF), o projeto busca alternativas aos clones importados do sudeste asiático. Para isso, pretende gerar, testar, avaliar e selecionar novas cultivares de seringueira para cultivo em diversas regiões do País.
 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.