O desafio da carne suína

Agronegócio

O desafio da carne suína

A cadeia produtiva no Brasil responde por mais de 4,1 milhões de empregos e exportações de US$ 1,7 bilhão
Por:
3019 acessos

O mercado de suínos – a carne mais consumida no mundo – cresce e ganha relevância, mas ainda patina no mercado brasileiro. Esbarra, na verdade, na falta de informação ou desinformação. Um ambiente em que a principal barreira não é sanitária, e sim o preconceito do consumidor. Associada muitas vezes a uma proteína animal não muito saudável, gordurosa e que precisa ser cozida à exaustão, como que para esterilizar, a carne suína enfrenta paradigmas e contradições. Ao mesmo tempo em que tem grande aceitação como carne de festa, a exemplo do leitão recheado, do pernil ou lombo assado, enfrenta rejeição no dia a dia, na casa, na mesa, na preferência do consumidor.

Mas, se essa é a carne mais consumida no mundo, por que essa resistência no Brasil? Questões culturais, tradição, religião ou o quê? Penso que não é nada disso. Mas sim uma limitação, por algum tipo de complexo que tem origem em analogias, de sentido figurado, com os hábitos atribuídos ao porco, ao chiqueiro e até ao fato de sermos uma nação em desenvolvimento. O suíno é uma carne menos nobre e, por isso, mais barata. Se você é um daqueles que pensam assim, então pare. Os tempos são outros. Esqueça tudo o que você ouviu falar sobre carne de porco.

Comece do zero e dê uma nova chance à carne suína e ao seu paladar. Não ao pernil ou ao leitão recheado, e sim aos diversos cortes, mais práticos e funcionais, que aos poucos começam a se destacar na gôndola do supermercado, a compor o bufê do fast-food, o menu à la carte das chamadas baixa e alta gastronomia. Por que não colocar mais variedade e sabor à mesa não apenas em datas comemorativas, mas no almoço, na rotina das refeições feitas em casa, seja o dia que for?

Picanha ou mignon, alcatra ou fraldinha, lombo ou coxão mole, cortes para churrasco ou para cozinha. Até parece que estamos falando de boi. Mas não. É de porco mesmo. De frações gourmet, para pratos especiais e de preparo rápido, que a maioria dos consumidores não conseguia ou não consegue associar ao suíno. É um novo posicionamento da carne de porco. Mais nobre, porém não elitizada, que aos poucos começa a revolucionar e a reinventar o mercado e o consumo dessa proteína.

Quem sabe daqui a alguns anos o Brasil esteja comendo carne de porco como gente grande, como fazem inclusive os países que a sociedade e a economia classificam de primeiro mundo. Enquanto o consumo per capita brasileiro é de apenas 15 quilos/ano, na União Europeia mais Rússia essa relação é de 25 quilos/ano; nos Estados Unidos, 21 quilos/ano. Na Ásia o consumo é mais que o dobro do Brasil: na China, o per capita é de 39 quilos/ano e, na Coreia do Sul, 34 quilos/ano.

Os números e a comparação com os principais países consumidores mostram o tamanho do desafio e da oportunidade à suinocultura brasileira. Isso apenas no mercado interno, sem falar das exportações, em que o Brasil tem know how e espaço para conquistar e se consolidar como um grande fornecedor.

Expedição Suinocultura

Para falar do campo e do mercado, da produção e do consumo, o Agronegócio Gazeta do Povo esta na estrada para discutir todos os elos dessa cadeia produtiva. A Expedição Suinocultura, lançada em agosto, percorre os principais estados produtores para apontar tendências do setor e desmistificar questões de preconceito e desinformação sobre a carne suína. De que esta é, sim, uma carne saudável, segue rigorosos padrões de sanidade e reúne todas as condições, de preço e qualidade, para concorrer ou ser uma alternativa às carnes mais tradicionais ou mais consumidas no Brasil, como de frango e de boi.

Concentrada na Região Sul e Sudeste, com mais de 80% da produção nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e Minas Gerais, a suinocultura também exerce um papel econômico e social, na geração de emprego, renda e divisas comerciais aos estados e ao país. A cadeia produtiva no Brasil responde por mais de 4,1 milhões de empregos e exportações de US$ 1,7 bilhão. Isso como o quarto maior produtor e quarto maior exportador mundial e com um consumo per capita constrangedor perto de Europa e Ásia. Agora, imagine como essa cadeia pode ser impactada a cada quilo a mais produzido, consumido e exportado pelo mercado brasileiro.

Para saber mais sobre a Expedição Suinocultura, a produção e o consumo da carne de porco, acesse www.expedicaosuinocultura.com.br

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink