O mercado de suínos passou apertado em 2018

Suínos

O mercado de suínos passou apertado em 2018

No segundo semestre, porém, a cotação se recuperou
Por:
313 acessos

No segundo semestre, porém, a cotação se recuperou. De julho a dezembro, o preço do cevado subiu 28,3%. Além do movimento sazonal de recuperação na segunda metade do ano, houve outros fatores, entre eles: a menor disponibilidade de animais e produtos, passada a crise com a greve dos caminhoneiros, e as exportações ganhando ritmo, com o dólar favorável. 

No âmbito externo, os embarques de carne in natura de janeiro a novembro foram 8,4% menores que no mesmo intervalo em 2017. No entanto, no segundo semestre, de julho a novembro o país exportou 33,4% mais em volume que em toda a primeira metade do ano. A Rússia, que foi a principal compradora do produto brasileiro em 2017, retomou as compras em novembro. Os russos haviam embargado as importações do produto brasileiro em novembro de 2017. 

Para 2019, se as reformas econômicas permitirem e os indicadores continuarem seu movimento de melhoria, a expectativa é que a demanda doméstica cresça. Junto a isso, há perspectiva de elevação na demanda internacional, especialmente para a China e para a Rússia. Do lado da oferta, a Scot Consultoria projeta aumento entre 1% e 3% na produção de carne suína, frente a 2018.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink