O que Santa Cruz ganha com a nova fábrica da JTI
CME MILHO (DEZ/20) US$ 4,046 (0,55%)
| Dólar (compra) R$ 5,60 (-0,69%)


Tabaco

O que Santa Cruz ganha com a nova fábrica da JTI

Maior investimento privado anunciado em Santa Cruz nos últimos anos, a fábrica de cigarros da Japan Tobacco International já está funcionando
Por:
1484 acessos

Maior investimento privado anunciado em Santa Cruz nos últimos anos, a fábrica de cigarros da Japan Tobacco International (JTI) já está funcionando. A atividade junto ao complexo na área da antiga Kannenberg, que abriga um aparato capaz de transformar tabaco picado em uma carteira com 20 unidades em 40 segundos, teve início em 9 de abril, mas só vai alcançar a capacidade máxima de operação dentro de três meses.

A produção chega a 7,2 mil cigarros (360 carteiras) por minuto. Até o momento, porém, a unidade opera com uma única linha. Outras três estão em fase de instalação. O maquinário está sendo trazido de outras fábricas da JTI em países como Suíça, Alemanha e Malásia, além de novos equipamentos que estão vindo diretamente de fabricantes na Alemanha e na Itália e outros que foram desenvolvidos com fabricantes locais.

Com as novas linhas, o número de funcionários na fábrica, que hoje é de 76, chegará a 100,  entre técnicos eletrônicos, operadores e mecânicos, que passaram por treinamentos em países como Rússia, Turquia, Ucrânia, Polônia, Suíça, Itália e Romênia. Ao todo, o investimento chegará a R$ 80 milhões. A inauguração será em 26 de setembro.

A fábrica produz cigarros das marcas Camel e Winston, que a JTI vende no Brasil desde 2014. No entanto, a empresa detém por enquanto apenas a licença de fabricação emitida pela Receita Federal e não a licença de comercialização emitida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o que significa que o cigarro produzido aqui ainda não pode ser vendido. Se a liberação não sair até julho, a fabricação poderá ser interrompida por falta de condições de estoque.

Quando estiver operando com toda a sua capacidade, a planta terá condições de suprir a demanda do mercado nacional, que abrange 12 estados brasileiros. Porém, segundo o diretor de Operações da empresa, o russo Timur Mutaev, exportações não estão descartadas, sobretudo para a América do Sul. A recente autorização da comercialização de carteiras com menos de 20 unidades pode abrir novas portas no exterior, já que países como Colômbia já têm a cultura de consumir embalagens com diferentes quantidades.

A história

Fundada em 1999, a JTI tem sede em Genebra, na Suíça. A empresa nasceu a partir da compra, pela Japan Tobacco Inc., das operações internacionais da multinacional norte-americana R.J. Reynolds. No ano seguinte, a empresa passou a atuar no Brasil. A chegada ao Vale do Rio Pardo ocorreu em 2009, quando adquiriu as antigas KBH&C Tabacos e Kannenberg & Cia Ltda. Em 2010, as empresas foram unificadas.

A empresa mantém uma planta de processamento de tabaco em Santa Cruz e, em 2016, centralizou no município as operações de processamento e distribuição de cigarros no Brasil. Foi o primeiro passo para a implantação da fábrica de cigarros no País.

O impacto

Por ser um dos produtos mais tributados do Brasil, o cigarro representa uma importante fonte de arrecadação para o poder público – tanto que a Philip Morris Brasil, que mantém uma cigarreira em Santa Cruz, é líder absoluta em Valor Adicionado Fiscal no município, respondendo por 42%. Em 2017, a JTI foi a 7a maior empresa de Santa Cruz e tende a crescer a partir de agora, com a produção de cigarros.

Segundo dados da Receita Federal, a carga tributária que incide sobre o cigarro chega a 79%. Por exemplo: se uma carteira custa R$ 5,75 no comércio, nada menos que R$ 4,55 corresponde aos tributos. A divisão fica assim: R$ 2,08 cobre o IPI (federal), R$ 0,63 cobre o PIS/Cofins (federal) e R$ 1,84 cobre o ICMS (estadual, mas também abastece os municípios). Apenas o governo federal arrecadou em 2017 R$ 6,9 bilhões com cigarros.

Como é o processo

A JTI mantém uma usina de beneficiamento em Santa Cruz. Porém, depois de processado, o tabaco não segue direto para a cigarreira. Primeiro, é exportado para a Antuérpia, na Bélgica, e de lá encaminhado para o complexo fabril de Trier, na Alemanha. Lá, o produto é picado e são feitos os blends – ou seja, as variedades de tabaco são combinadas para formar as misturas que compõem cada uma das marcas.

Na fábrica, o processo é praticamente todo automatizado e começa quando o tabaco é despejado em uma alimentadora. De lá, é bombeado para a máquina de  montagem do cigarro (com o papel e o filtro) e, depois, para a máquina de empacotamento. Tudo isso leva em torno de 40 segundos. Das máquinas, saem pacotes com dez maços que são transportados para o armazém. A impressão das carteiras também é feita em Santa Cruz, mas por uma empresa terceirizada. Também funciona ali um linha de fabricação de filtros, que são produzidos com acetato de celulose.

Anúncios que podem lhe interessar


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink