Agronegócio

Oeste baiano terá indústrias portuguesas

“Este é um momento histórico para a Bahia. Estamos alcançando o objetivo de levar para o Estado uma grande indústria têxtil, para agregar valor ao algodão e gerar milhares de empregos diretos e indiretos”
Por:
1639 acessos
“Este é um momento histórico para a Bahia. Estamos alcançando o objetivo de levar para o Estado uma grande indústria têxtil, para agregar valor ao algodão e gerar milhares de empregos diretos e indiretos”. A afirmação foi feita pelo secretário estadual da Agricultura, engenheiro agrônomo Eduardo Salles, ao assinar na manhã dessa segunda-feira (23/9), em Lisboa, no Congresso Nacional de Portugal, protocolo de intenções com a Associação Comercial e Industrial de Barcelos (Acib), formalizando a intenção de implantar na Bahia indústrias da zona geográfica de Barcelos.


A Acib representa 65 grandes indústrias portuguesas. O secretário explicou que a implantação dessas indústrias se concentrará no setor têxtil, podendo ser complementada com outros setores, a exemplo dos calçados e de acessórios. O objetivo é verticalizar a oferta de produtos têxteis e de moda, desde a produção de fios até a confecção de roupas. “A Bahia é o segundo maior produtor nacional de algodão de alta qualidade, com fios tão bons quanto os produzidos no Egito”, acrescentou Salles.

Os prefeitos de Luiz Eduardo Magalhães, Humberto Santa Cruz, e de Barreiras, Antônio Henrique Moreira; o presidente da Associação dos Irrigantes da Bahia (Aiba), Júlio Busato; o vice-presidente da Aiba, Celestino Zanella, e o diretor da Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa); Luis Carlos Bergamaschi, participaram do ato, que contou também com a participação da deputada portuguesa Mônica Ferro.


As indústrias têxteis portuguesas trabalham desde a fiação até a confecção, mas muitas empresas estão paralisando as atividades de fiação por causa da crise internacional, que estagnou o mercado europeu. Neste contexto, os empresários escolheram o Brasil e a Bahia para investir e devem transferir os equipamentos para a região Oeste baiana.

Saloio vai fabricar queijos em Alagoinhas
Outro resultado prático da missão da Seagri à Portugal foi a assinatura do protocolo de intenções entre o governo da Bahia, através da Seagri, o Laticínio Marianna e a Queijo Saloio Indústria de Laticínios, para implantar, na cidade baiana de Alagoinhas, uma indústria de processamento de leite de vaca, cabra e ovelha, para produzir queijos especiais.


A Saloio é a terceira maior indústria de Portugal e a maior em especialidades de queijos, e também a maior em queijos de cabra. No mercado desde 1968, a empresa produz e vende queijo fresco, requeijão e especialmente queijo curado, transformando aproximadamente 150 mil litros de leite por dia.

A assinatura do protocolo de intenções é fruto das reuniões de trabalho realizadas no final do ano passado, quando uma missão chefiada pelo secretário Eduardo Salles esteve em Portugal e Espanha, demonstrando as potencialidades da ovinocaprinocultura na Bahia. 
Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink