Olivicultura pode ser oportunidade
CI
Imagem: Fernando Dias/ SEAPDR
CULTURAS

Olivicultura pode ser oportunidade

Grande parte vem do Rio Grande do Sul onde há 6 mil hectares cultivados em 65 municípios
Por: -Eliza Maliszewski

O Brasil importa cerca de R$ 1 bilhão ao ano em azeitonas e azeite. A produção nacional em 2019 foi de 160 mil litros em 2019. Grande parte vem do Rio Grande do Sul onde há 6 mil hectares cultivados em 65 municípios do Estado, principalmente na região Sul. 

Especialistas no setor observam isso como uma grande oportunidade para os produtores rurais. O tema foi discutido em um painel na Expointer Digital 2020.  Transmitido no site da Expointer, o evento contou com a participação de dois painelistas: a bióloga pesquisadora da Seapdr Andréia Mara Rotta Oliveira; e o presidente do Instituto Brasileiro de Olivicultura (Ibraoliva), Paulo Marchioretto.

O setor cresce 15% ao ano a meta uma área plantada de 8 mil hectares de oliveiras até final de 2020. No estado o Programa Estadual Pró-Oliva tem como objetivo a defesa sanitária, a produção de mudas de qualidade e o aumento da produção e da produtividade dos olivais. Também fornece assistência técnica e pesquisa, industrialização de azeites e conservas e o crédito. 

VEJA: Saiba como entrar na olivicultura

Andréia destacou que o cultivo de oliveiras no Rio Grande do Sul é recente, iniciou há cerca de 15 anos e que entidades buscam dar o apoio ao produtor. Uma dessas portas é a Feira do Azeite, que ocorre no primeiro sábado de cada mês no pátio da secretaria, no bairro Menino Deus, em Porto Alegre, é um espaço para comercialização direta dos produtores.

Segundo o presidente do Ibraoliva já são 120 premiações de azeites, mostrando a tecnologia desenvolvida e o potencial de crescer ainda mais. “O azeite gaúcho é resultante de uma estrutura que prospera com base na persistência e esforço de entidades e empresas envolvidas. O objetivo dessa estrutura está em consolidar a cadeia produtiva gaúcha com qualidade de produto, referência para atividades agregadas de turismo, gastronomia e cultura”, afirmou Marchioretto. 
 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink