Opinião: Ignorar a alta das commodities agrícolas é um grande risco

Agronegócio

Opinião: Ignorar a alta das commodities agrícolas é um grande risco

Dólar permanecendo baixo lastreia os níveis elevados dos preços das commodities
Por:
669 acessos

Geraldo Barros*

As autoridades econômicas brasileiras vêm tratando com certa superficialidade o impacto do aumento dos preços das commodities agrícolas sobre a inflação.

Assumem que variações desses preços são eminentemente temporárias e, portanto, reversíveis no curto prazo.

Por isso, não seria necessário acionar os instrumentos de contenção da inflação mesmo diante dos sinais de alta captados pelos índices.

Parecem seguir o exemplo de outros países, especialmente os mais desenvolvidos, onde as commodities são excluídas dos cálculos da inflação. Continuam agindo assim mesmo após a explosão dos preços dos ativos (inclusive commodities), que, não controlada, ensejou a atual crise financeira.

No Brasil, uma economia ainda bastante indexada, essa estratégia pode ser perigosa. Além do mais, há fundamentos consistentes para um movimento duradouro dos preços reais das commodities para patamares consideravelmente elevados.

No exterior, apesar da lenta recuperação dos países desenvolvidos, os emergentes e os em desenvolvimento deverão prosseguir em marcha batida, acenando para uma demanda firme por produtos agropecuários.

Na esfera cambial, o dólar permanecendo baixo lastreia os níveis elevados dos preços das commodities.

Se, como parece possível imaginar neste momento, a China vier a atender aos clamores da maioria dos países e apreciar um pouco o yuan, elevando o poder de compra do país, mais uma força significativa passará a sustentar a demanda mundial.

Do lado da oferta, o panorama é de preços elevados e em alta contínua, pois as previsões apontam para a segunda redução consecutiva de produção mundial de cereais, com expressiva queda de estoques.

No mercado interno, após o forte crescimento econômico de 2010, esperam-se taxas ainda relevantes para o PIB (em torno de 4,5%) e aumento importante no salário mínimo, com expansão das políticas assistencialistas.

O IPR (Índice de Preços Recebidos) agropecuário já voltou ao recorde de 2008. A próxima safra, com previsão de estabilidade da colheita em relação a 2010, não promete ajudar suficientemente o Brasil a desempenhar o papel que o mundo lhe reserva.

Face a essas perspectivas, as autoridades brasileiras deveriam considerar devidamente o que se passa no mercado de commodities agropecuárias.

O enquadramento da inflação na meta de 4,5% vai obrigatoriamente envolver uma mudança de preços relativos em prejuízo dos demais setores econômicos.

O que vem, ainda que moderadamente, facilitando esse processo é o câmbio valorizado. Um crescimento do PIB mais lento do que o desejado deve ser o segundo remédio, ainda que bastante amargo. 

*Gerado Barros é professor titular da USP/Esalq e coordenador científico do Cepea/Esalq/USP.
Artigo publicado no jornal Folha de São Paulo do dia 22-11-2010.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink