Órgãos reafirmam sanidade do frango brasileiro
CME MILHO (DEZ/20) US$ 4,200 (0,72%)
| Dólar (compra) R$ 5,63 (0,59%)

Imagem: Pixabay

COVID

Órgãos reafirmam sanidade do frango brasileiro

Até a data, não foi registado um único caso de transmissão de COVID-19 através de embalagens
Por:
169 acessos

A carne de frango é uma parte essencial de uma dieta nutritiva para consumidores em todo o mundo e continua segura para consumo na era pandêmica do COVID-19, seja produzida internamente ou importada do exterior. A segurança do alimento é da maior importância para o setor avícola global, pois todos trabalham para alimentar os consumidores em todo o mundo. É fundamental que os governos e o setor privado trabalhem juntos para garantir a segurança do alimento, garantir o comércio global de alimentos e garantir o acesso do consumidor a carne de frango segura e nutritiva.

Notícias recentes de uma suposta descoberta do vírus COVID-19 associado a uma asa de aves importadas pela China, cujos detalhes específicos ainda não foram divulgados, resultaram em informações imprecisas sendo escritas sobre a segurança de produtos de aves importados.

Em primeiro lugar, até à data, não foi registado um único caso de transmissão de COVID-19 através de embalagens alimentares ou do próprio alimento.

É importante especificar que a detecção de material genético pertencente ao vírus COVID-19 não é um índice de infectividade da embalagem ou produto amostrado, mas apenas que a superfície testada entrou em contato com material viral que pode não estar vivo, viável e infeccioso. Fragmentos inativos do vírus podem permanecer nas superfícies, mas esses fragmentos inativos não podem transmitir COVID-19 e a maioria dos testes não consegue diferenciar entre fragmentos de vírus inativos não infecciosos e vírus viáveis. Portanto, é necessário cautela na interpretação dos resultados do teste.

De acordo com o atual entendimento científico da OMS, FAO, OIE, Codex e OMC em relação ao COVID-19, esta doença grave não é um problema de segurança dos alimentos, mas sim uma doença respiratória e sua principal via de transmissão é pessoa a pessoa por meio de gotículas respiratórias. O vírus não se multiplica em alimentos e não afeta as aves, só pode infectar pessoas quando está intacto.

Atualmente, não há evidências de que o vírus COVID-19 possa ser transmitido por alimentos ou carnes, frescas ou congeladas. No entanto, a indústria de alimentos continua a praticar procedimentos rigorosos de segurança do alimento. Os procedimentos HACCP (Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle) que estão em vigor globalmente são uma abordagem preventiva sistemática para os riscos biológicos de segurança alimentar, incluindo o vírus COVID-19.

A indústria avícola está totalmente comprometida em garantir o mais alto nível de segurança em cada etapa do processo produtivo, do campo ao consumidor, ao mesmo tempo em que garante a segurança de seus trabalhadores e o fornecimento contínuo aos consumidores de proteínas de alta qualidade em todo o mundo.

Confira o documento do IPC sobre a ciência atual, "COVID-19: Scientific Status and Assuring Safety" (em inglês)

Anúncios que podem lhe interessar


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink