Otimismo atinge todos os elos do agronegócio

ECONOMIA

Otimismo atinge todos os elos do agronegócio

“Foi possível constatar, de fato, um sentimento de euforia"
Por: -Leonardo Gottems
638 acessos

Receba Notícias como esta por email

Cadastre-se e receba nossos conteúdos gratuitamente
Obrigado por se cadastrar
  • Enviamos a você um email de boas vindas para ativação de seu cadastro.

O índice de confiança do agronegócio brasileiro (IC Agro) atingiu, de forma recorde, todos os elos da cadeia desde que começou a ser medido em 2013, encerrando o 4º trimestre de 2018 com 115,8 pontos, o que representa uma alta de 15,4 pontos sobre o 3º trimestre. De acordo com a metodologia do levantamento, uma pontuação acima do nível 100 representa otimismo, e quando fica abaixo disso, indica pessimismo. 

O indicador, que é medido pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e pela Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), inclui os agricultores, pecuaristas e indústrias antes e depois da porteira. Segundo Paulo Skaf, presidente da Fiesp, esse resultado reflete a confiança do agronegócio na recuperação e estabilização da economia brasileira. 

“Foi possível constatar, de fato, um sentimento de euforia. As entrevistas foram realizadas no final de novembro e início de dezembro, pouco depois das eleições presidenciais – e a vitória de Jair Bolsonaro alimentou a expectativa de um novo ciclo de crescimento econômico e de um ambiente de negócios mais favorável a partir de uma agenda de reformas estruturais”, comenta. 

O índice de confiança do produtor agropecuário (agrícola e pecuário) teve alta de 12,1 pontos, para 113,8 pontos e o dos produtores agrícolas atingiu 115,2 pontos, avanço de 9,2 pontos. Para Márcio Lopes de Freitas, presidente da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), a agenda iniciada pelo novo governo é um fator fundamental para o resultado positivo, mas a queda na produtividade pode trazer problemas. 

“Por isso, para o próximo trimestre, consideramos alguma retração na confiança advinda da quebra de safra em importantes regiões produtivas como o Paraná e o Mato Grosso do Sul e de um possível aumento nos custos de produção para a safra 2019/2020”, conclui. 

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink