Ourofino fatura 27% do mercado de IATF

Agronegócio

Ourofino fatura 27% do mercado de IATF

Linha de hormônios do grupo nacional cresceu 45% em 2010
Por:
1675 acessos
Linha de hormônios do grupo nacional cresceu 45% em 2010

A técnica da Inseminação Artificial em Tempo Fixo, a IATF, cresceu significativamente no Brasil nos últimos anos. A estimativa é que tenham sido comercializados aproximadamente cinco milhões de protocolos de reprodução IATF em 2010, crescimento de cerca de 30% em relação a 2009. O faturamento na área ultrapassou a marca de R$ 70 milhões.

Frente a este mercado, o Grupo Ourofino, maior empresa brasileira de saúde animal, obteve crescimento de faturamento de 45% em sua linha de hormônios em 2010 em relação ao ano anterior. Em questão de volume, o crescimento foi ainda maior. “Em 2009, a Ourofino vendeu protocolo para aproximadamente 850.000 vacas e no ano passado ultrapassamos a casa dos 1,3milhoes de protocolos vendidos, portanto um aumento de 53%”, diz o diretor comercial, responsável pela linha de hormônios da Ourofino, José Ricardo Garla Maio.

O Brasil já é o maior mercado de IATF do mundo e a tendência é crescer ainda mais. São 50 milhões de vacas servidas por meio da monta natural, sete milhões por inseminação sendo que destas somente 4,5 a 5 milhões são inseminadas pelo uso da IATF.

A possibilidade de inseminar um grande número de vacas em um curto espaço de tempo, aumentar o número de bezerros, acelerar o melhoramento genético, reduzir o intervalo entre partos, padronizar os lotes e obter melhores preços nas vendas, pelo melhoramento genético, trazem lucro ao produtor.

“Para se ter uma idéia, uma vaca de corte custa por dia aproximadamente R$ 1,10 a R$ 1,25, ou seja, se uma vaca fica 100 dias vazia, ela gastou R$ 110 a R$ 125 sem produzir absolutamente nada. Se com o uso da IATF, conseguimos antecipar em 30 dias a prenhez dessa fêmea, temos uma redução no custo de manutenção de pelo menos R$ 30,00, portanto, o tratamento, que custa menos do que isso, saiu de graça ao produtor, com o benefício de ter mais bezerros”, afirma Maio.

Outra boa notícia é que além da eficiência econômica, a IATF é a ferramenta ideal para conciliar produtividade e sustentabilidade, o que significa produzir mais sem expansão de terras.

“A IATF, além de agregar valor à produção, pode ser vista como uma ferramenta de melhor utilização da terra e, consequentemente, redução da demanda por terra para produção agropecuária”, afirma Maio.
 
Por meio da IATF é possível produzir até 10% mais de bezerros com o mesmo espaço de pastagem. Atualmente, o Brasil possui o maior rebanho bovino comercial do mundo.

As informações são da assessoria de imprensa do Grupo Ourofino.
Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink