Ovinocultura paranaense quer reconquistar mercados

Agronegócio

Ovinocultura paranaense quer reconquistar mercados

Por:
404 acessos

Reestruturar a cadeia de ovinocultura no Paraná é um desafio que criadores e o governo têm pela frente. Recentemente, representantes da cadeia produtiva e do Estado se reuniram no município de Guarapuava, região com maior concentração desses animais no Paraná, para debater como comercializar a lã e a carne de animais mais velhos, capacitar mais técnicos e buscar melhoramento genético, entre outros pontos.

Com um rebanho de 540 mil cabeças, o Paraná é o sexto estado brasileiro em número de carneiros e ovelhas, atrás do Rio Grande do Sul, Bahia, Ceará, Piauí e Pernambuco.

Um dos principais problemas enfrentados pelo setor é dar destino à lã do carneiro, pois, com a inclusão do tecido sintético, o material perdeu espaço no mercado.

"A lã hoje está nas mãos de intermediários. Os produtores geralmente não recebem nada pelo produto, pois é dado em troca dos serviços de tosquia", lamenta o zootecnista e coordenador estadual do Programa de Apoio à Estruturação das Cadeias Produtivas de Ovinos e Caprinos da Secretaria de Estado de Agricultura e Abastecimento (Seab), José Antônio Garcia Baena.

A Seab está iniciando a coordenação de um projeto - junto com a Empresa Paranaense de Classificação de Produtos (Claspar), Companhia de Desenvolvimento Agropecuário do Paraná (Codapar) e o Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater) - para reativar esse comércio, a fim de que os produtores consigam ao menos ter lucro com a lã.

A ideia desse trabalho é que haja um espaço para classificação, armazenamento e prensagem da lã para, posteriormente, comercializá-la. "Esse estudo ainda não está concluído. Existe uma proposta de trabalhar em conjunto com as prefeituras municipais, mas nada definido. Esperamos que até outubro já tenhamos algo concreto", diz.

O coordenador acredita que o mercado de ovinos tende a melhorar, pois a carne paranaense é de boa qualidade e tem boa aceitação. "Já existem cooperativas trabalhando para fortalecer ainda mais o ovino daqui. O rebanho cresceu nos últimos três anos, tanto em Guarapuava quanto em outros locais do Estado. Já tivemos uma das melhores genéticas de ovinos e vamos trabalhar firme para recuperar esse título. Isso sem contar que existe um bom mercado nacional para se comercializar a carne de carneiro", afirma Baena.

Além disso, segundo o zootecnista, o Estado está investindo na capacitação de técnicos para trabalhar com ovinos. "Fizemos recentemente a capacitação desse pessoal. Como a demanda tem sido grande, estamos estudando a viabilidade de promover mais um curso. O Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) tem sido um grande parceiro, realizando trabalhos junto aos ovinocultores."

Outra iniciativa voltada ao setor é a realização de cursos de gourmet, treinamento de pessoas especializadas no corte da carne de cordeiro e readequação de frigoríficos.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink