Agronegócio

País produzirá 2,5 bilhões de litros de biodiesel em 2008

A previsão é de estudo da consultoria Frost & Sullivan, que realizou amplo estudo sobre o setor
Por: -Theo Carnier
2 acessos

O mercado brasileiro de biodiesel terá crescimento geométrico de produção este ano e em 2008, saltando dos 770 milhões de litros em 2005 para 2,5 bilhões de litros no ano que vem. A previsão é de estudo da consultoria Frost & Sullivan, que realizou amplo estudo sobre o setor. Para 2007 a estimativa é de que a produção seja de aproximadamente 1,6 bilhão de litros. De acordo com o estudo, o volume continuará crescer até 2012, mas em ritmo moderado, somando cerca de 3 bilhões de litros dentro de cinco anos.

“O Brasil apresenta vantagens competitivas importantes no biodiesel”, garante Victoria Verdier, analista de pesquisa da Frost & Sullivan. “O País tem ainda muitas áreas disponíveis e deve produzir 85 milhões de toneladas de soja até 2011. Além disso, tem posição de liderança global na pecuária, outro fator importante já que o biodiesel pode ser produzido também a partir de sebo bovino”.

Pelos cálculos da consultoria, essa vantagem é importante porque o sebo tem custo 30% menor que o da soja.

Na avaliação de Victoria, também existem obstáculos para o crescimento do biodiesel no País, entre os quais a baixa produtividade das oleaginosas e elevada dependência da soja. Há, ainda, inexistência de demanda para uso de biodiesel por carros. Uma visão abrangente do mercado, no entanto, mostra que o cenário é muito promissor para o produto no País, o que tem incentivado a implantação de projetos voltados para o biodiesel em número crescente.

Mais fábricas:

De acordo com o levantamento da Frost & Sullivan, já existem sete unidades produzindo biodiesel no Brasil e há outras 16 em construção, além de 20 projetos a serem analisados. A estimativa é que entre 2008 e 2010 haverá pelo menos 57 plantas trabalhando na produção de biodiesel. “Serão unidades de médio e grande porte, com produção aproximada de 400 milhões de litros”, prevê Victoria Verdier.

Os usuários finais do produto serão caminhões e ônibus e poderá haver utilização também para trens, aviões e navios. O biodiesel poderá também ser fonte de energia residencial e industrial. O estudo recorda que, por enquanto, o produto é vendido por leilões públicos nacionais, mas que depois de 2008 haverá uma estrutura livre de comercialização. Atualmente, o biodiesel é vendido nas redes de postos da Petrobras e da Ale.

Etanol também promete:

A Frost & Sullivan também estudou o mercado de etanol, em que constatou quadro favorável para o Brasil.

Segundo Victoria Verdier, as vantagens do País nesse segmento abrangem o crescimento da venda de carros “flex”, a crescente demanda para exportação, o aumento do mercado nos Estados Unidos e os créditos de carbono. Ela lembrou que existem variáveis menos positivas para o etanol brasileiro: “Há volatilidade dos preços e problemas de infra-estrutura. No entanto, as vantagens são amplas e o Brasil tem posição privilegiada também nesse setor”.

Essa situação fica ainda mais clara quando comparada à de outros países da América Latina. O levantamento da Frost & Sullivan mostrou que no continente não há competidores do mesmo nível do Brasil no mercado de etanol. Na Colômbia, há redução de reservas de petróleo e falta de novos recursos e, embora o país seja destaque entre os maiores produtores de óleo de palma, a produção ainda fica abaixo da demanda. O México não é forte na produção de oleaginosas, embora tenha alto potencial para etanol. A melhor situação é da Argentina, com posição privilegiada entre os produtores e exportadores globais de oleaginosas. Além disso, a tarifa para exportação de petróleo na Argentina é alta (20%) e a de biodiesel é de 5%.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink