Pandemia estimula consumo de frango no mercado interno e aquece exportações
CME MILHO (DEZ/20) US$ 3,684 (0,11%)
| Dólar (compra) R$ 5,59 (2,18%)

Imagem: Eliza Maliszewski

AGRONEGÓCIO

Pandemia estimula consumo de frango no mercado interno e aquece exportações

De janeiro a junho deste ano, exportações cresceram 1,7% em relação ao mesmo período de 2019
Por:
484 acessos

Entre perdas e danos com a pandemia, como os cerca de R$ 30 milhões agregados aos custos extras de produção e poucos mais de três meses com às novas exigências de trabalho em frigoríficos e outras ações, a avicultura também pode colocar alguns ganhos na balança. O setor vive um momento de boas perspectivas de consumo interno, apesar da crise, e registra alta nas exportações, inclusive com a abertura de novos mercados. 

O tema foi um dos destaques do VII Fórum Virtual Asgav & Sipargs, promovido nesta semana, para debater o futuro do mercado de carnes. No cenário interno, com a queda na renda da população, a Associação Gaúcha de Avicultura (Asgav) avalia que deve ocorrer um procura maior pelo frango no lugar da carne bovina, já que é uma proteína com preço mais acessível. Essa mesma perspectiva serve para o segmento de ovos, que também têm ampliado a presença na mesa dos brasileiros.

No mercado externo, a tendência é igualmente positiva. Ao mesmo tempo que em restringiu as importações de alguns frigoríficos brasileiros recentemente, inclusive gaúchos, a China segue habilitando novas unidades, assim como o mercado árabe, um grande comprador de aves gaúchas. De acordo com dados da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), de janeiro a junho deste ano, os embarques cresceram 1,7% em relação ao mesmo período do ano passado. E ainda que a receita em dólar tenha sido 8,8%, a valorização cambial compensa a queda. A ABPA também espera avançar inclusive com exportações de genética avícola e até mesmo de ovos processados para a China.

No caso do Rio Grande do Sul os compradores árabes representam até mais peso na balança do que os chineses. A Arábia Saudita, por exemplo, respondeu por 31% das vendas para o Exterior feitas por frigoríficos localizados no Rio Grande do Sul, com 180 mil toneladas embarcadas no semestre, e os Emirados Árabes outros 7%, com 41,3 mil toneladas, volume semelhante ao da China (40,6 mil toneladas). E da mesma forma que o mercado árabe deve aumentar a procura por aves e novos cortes de frango para reforçar a segurança alimentar de seus países em meio à pandemia, a China também deverá fazê-lo.

Ainda que Arábia Saudita e Emirados Árabes tenham retraído as compras entre janeiro e junho (16% e 21%, respectivamente) em 2020, a tendência é de retomada e até ampliação, como forma de assegurar seus estoques internos. O frango está entre as principais proteínas consumidas nas duas regiões, e de acordo com a Câmara de Comércio Árabe-Brasileira, os projetos de avançar na produção local própria terão de esperar. Assim, esses dois mercados devem retomar e intensificar os negócios por aqui já neste segundo semestre. O Egito, por exemplo, está habilitando dezenas de novas plantas no Brasil.

A China segue o mesmo rumo. Apesar das suspensões a compra de carne de unidades de plantas como JBS, BRF e Minuano, no Rio Grande do Sul, e em outros Estados, alguns especialistas indicam que a ação é mais com foco na redução de preços do que uma limitação para compras futuras. E, de acordo com Ricardo Santin, que neste mês assume a presidência da ABPA, no lugar do gaúcho Francisco Turra, compradores do gigante asiático e o governo seguem buscando e habilitando frigoríficos brasileiros.

De acordo com a ABPA, com todas as províncias chinesas registrando focos de Peste Suína Africana (PSA), a produção própria do país caiu de 54 milhões de toneladas em 2018, para 42 milhões em 2019 e deverá somar pouco mais de 30 milhões em 2020.

“Com a peste suína dizimando o rebanho da China, há um déficit de proteína animal no país de cerca de 20 milhões de toneladas. É muito coisa. E com as restrições de venda de animais vivos em feiras e a proibição de consumo de animais silvestres, a demanda ainda vai aumentar”, diz Santin.
Levando em conta a necessidade árabe, chinesa e de outras nações pela proteína brasileira _ assim como alta no consumo interno _ a ABPA está inclusive ampliando suas projeções para o ano de 13,7 milhões de toneladas de produção para 14 milhões de toneladas. No semestre, a China registrou alta de 32% nos embarques, assim como foram ampliadas as compras do Japão.

“Apesar da pandemia, das dificuldades e das muitas exigências para manter as atividades nos frigoríficos, o setor tem trabalhado para que os brasileiros tenham comida no prato, assim como a segurança alimentar de outros países. As exportações fortes são fundamentais, já que as receitas em dólar, com o Real desvalorizado, ajudam a indústria a manter o equilibro financeiro”, explica Santin.
 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink