Paraguai recebe variedades de algodão brasileiro

Agronegócio

Paraguai recebe variedades de algodão brasileiro

Para fortalecer a cotonicultura no Paraguai, o IPTA recebeu sementes de algodão para validação e possível novas variedades
Por:
342 acessos

Como parte das ações para fortalecer a cotonicultura no Paraguai, o Instituto Paraguaio de Tecnologia Agrícola (IPTA) recebeu, na terça-feira (13), sementes de quatro variedades de algodão branco convencional da Embrapa para validação e possível desenvolvimento novas variedades naquele país. O Paraguai é um dos sete países parceiros do Projeto Regional de Fortalecimento do Setor Algodoeiro através da cooperação Sul-Sul, realizado desde 2013 pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e governo brasileiro, representado pela Agência Brasileira de Cooperação (ABC). Também fazem parte do projeto a Argentina, Bolívia , Colômbia, Equador, Peru e Haiti.

As sementes foram entregues pelo chefe-geral da Embrapa Algodão, Sebastião Barbosa ao diretor do Centro de Investigação Hernan Bertoni do IPTA, Juan Carlos Cousiño. A Embrapa é parceira no projeto regional coordenado pela FAO e pelos governos do Brasil e Paraguai para o fortalecimento do setor algodoeiro do país.

"As sementes representam o trabalho de muitos anos; significam muita tecnologia e o agricultor necessita ter acesso a isso para que possa ter êxito na sua produção", disse Sebastião Barbosa.

"Com estas sementes esperamos contar com bons resultados na próxima colheita", afirmou Juan Carlos Cousiño.
As sementes serão utilizadas em três unidades técnicas de validação do IPTA nos departamentos da Cordillera, Itapúa e Misiones, com o objetivo de analisar se estas variedades podem se adaptar às condições locais.

Fortalecendo capacidade técnicas e institucionais

O projeto regional no Paraguai trabalha para fortalecer as capacidades técnicas e institucionais que permitirão aos pequenos agricultores a adoção de tecnologias inovadoras de produção e melhorar a produtividade e a qualidade dos seus produtos. Além disso, o projeto tem uma forte componente de formação de profissionais (técnicos), que atuarão como multiplicadores de conhecimento para os demais técnicos extensionistas do setor algodoeiro.

"A entrega dessas sementes é uma das ações importantes que têm impulsionado o alcance dos esforços da cooperação trilateral Sul-Sul entre o Brasil, a FAO e o governo do Paraguai no sentido de gerar tecnologias que promovam o fortalecimento desta área que tem uma importância histórica no Paraguai e é uma oportunidade econômica e social da agricultura familiar do país", disse Adriana Gregolin, coordenadora regional do projeto.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink