Agronegócio

Paraná ameaça embargar carne suína de SC

O Estado vizinho reclama que SC e RS mantêm barreiras sanitárias para aos produtos
Por: -Darci Debona
10 acessos

A vida do suinocultor catarinense não é nada fácil. O embargo russo à carne suína já dura 13 meses. Os suinocultores argentinos estão acusando o Brasil de "dumping", ou seja, praticar preços abaixo do mercado para eliminar a concorrência. Agora, é o governo do Paraná que ameaça fechar as divisas para a carne catarinense.

O Estado vizinho reclama que SC e RS mantêm barreiras sanitárias para os produtos paranaenses e ameaçam adotar o "princípio da reciprocidade". Hoje o secretário da Agricultura do Paraná, Newton Pohl Ribas, tem uma reunião com o colega catarinense, Antonio Ceron, acompanhado do diretor de Saúde Animal do Ministério da Agricultura, Jamil Gomes de Souza, e do secretário de Defesa Agropecuária do Ministério, Gabriel Alves Maciel.

A reunião está prevista para às 9h30min, na sede da Secretaria de Agricultura do Estado, em Florianópolis. De acordo com Roni Barbosa, do Comitê Estadual de Sanidade Animal, não tem como permitir a entrada de carne com osso do Paraná, justamente no momento em que Santa Catarina busca o reconhecimento internacional de Zona Livre de Aftosa Sem Vacinação.

Barbosa disse que, de acordo com a Organização Mundial de Sanidade Animal, Santa Catarina só pode permitir entrada de animais e carne com osso de áreas livres de aftosa com vacinação. De acordo com portaria 40 do Ministério da Agricultura, se enquadram nesta definição o Acre, Rondônia e Rio Grande do Sul.

Não haveria motivo para a retaliação:

Barbosa disse que atualmente entram carcaças suínas do Paraná somente para industrialização em unidades com serviço de inspeção federal. Ele não vê motivo para retaliação. O vice-presidente da Federação da Agricultura do Estado de Santa Catarina, Enori Barbieri, disse que o Estado vizinho quer vender carne bovina, enquanto o produtor catarinense já enfrenta baixos preços.

"O Paraná causou um prejuízo sem precedentes para Santa Catarina e agora quer tumultuar". Enquanto isso os produtores catarinense já estão pensando em abandonar o Estado. Adair Cella, de Chapecó, já entrou num grupo de seis criadores que compram 1,3 mil hectares próximo a Lucas do Rio Verde, no Mato Grosso. Eles vão financiar R$ 18 milhões para uma instalar uma planta com 8,8 mil matrizes de suínos.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink