Período seco ganha nova estratégia no combate às mastites

Agronegócio

Período seco ganha nova estratégia no combate às mastites

Indústria leiteira global já aponta adoção de produtos inovadores que permitam reduzir a ocorrência de mastites clínicas
Por: -Silvano
86 acessos

A mastite é causa contínua de significativos prejuízos para a indústria leiteira. Para se ter uma idéia, as perdas das propriedades leiteiras no Brasil acarretadas pela mastite subclínica podem chegar a R$ 630,00 por vaca/ano. A fonte primária dessas perdas é, geralmente, o período seco, época de risco para infecções intramamárias (IIMs) ambientais. Mais da metade das infecções clínicas ocorridas nos primeiros cem dias de lactação tem sua origem no período seco anterior. Isto é, as bactérias entram no úbere, porém a mastite só se manifesta após o parto, na lactação.

“Esses dados indicam que há necessidade de novas alternativas de tratamento para reduzir infecções em vacas secas”, comenta Elio Moro, gerente da Unidade de Negócios de Bovinos Leite e da linha de antiparasitários da Pfizer.

No período seco, época de maior suscetibilidade para adquirir novas IIM’s, o animal conta com uma importante defesa natural: o tampão de queratina que fecha o canal do teto, criando uma barreira física que impede a entrada de bactérias na glândula mamária. “Ainda assim há risco, pois o tampão demora dias ou semanas para se formar. Em algumas vacas, o tampão nem chega a se formar. A infecção intramamária pode ocorrer antes do completo fechamento do teto pelo tampão”, explica Moro.

Há muitos anos que a terapia de vaca seca com antibióticos intramamário de longa ação tem sido a opção de tratamento e prevenção de mastites, controlando infecções presentes na secagem e prevenindo novas IIMs durante o período seco. Hoje, sabe-se que essa terapia tem duas limitações. A primeira é seu espectro de ação que é deficiente contra as bactérias ambientais. A segunda é seu período de ação incompleto, ou seja, não age mais nos momentos finais do período seco (antes do parto), deixando o úbere desprotegido e exposto à atuação de bactérias causadoras de mastite.

A deficiência nos programas de tratamento com antibióticos tem provocado interesse por produtos selantes, que buscam o fechamento dos tetos. No mercado internacional existem alguns selantes externos que são aplicados ao teto por imersão e criam uma barreira física no orifício do teto durante o período em que o tampão de queratina está sendo formado. O ponto fraco desses produtos é que ficam por poucos dias no teto, não atuando em todo período seco. As informações são da assessoria de imprensa da Pfizer.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink