Pesquisa determina suscetibilidade e uso eficiente de cobre no controle de cancro em lima ácida Tahiti
CI
Imagem: Fundecitrus
FUNDECITRUS

Pesquisa determina suscetibilidade e uso eficiente de cobre no controle de cancro em lima ácida Tahiti

Os resultados demonstraram que o risco de contaminação pela doença diminui na mesma proporção do crescimento do fruto, que se torna resistente quando atinge 5 cm de diâmetro
Por:

Os resultados demonstraram que o risco de contaminação pela doença diminui na mesma proporção do crescimento do fruto, que se torna resistente quando atinge 5 cm de diâmetro

Uma pesquisa realizada pelo Fundecitrus, em parceria com a Embrapa, avaliou o período de suscetibilidade da lima ácida Tahiti ao cancro cítrico e a eficiência do uso otimizado do cobre no manejo da doença nos pomares da fruta. Assim como para laranja, o cobre é a medida mais eficiente para o manejo do cancro nessa fruta.

Para o estudo, experimentos foram realizados em campo com frutos não protegidos com cobre e inoculados por aspersão com a bactéria causadora do cancro cítrico. Após a aplicação, os pesquisadores constataram lesões em 90,7% dos frutos jovens com diâmetro entre 1 e 1,9 cm e em 70,9% com diâmetro de 2 a 2,9 cm.

Lesões

Em limas com diâmetros intermediários, entre 3 a 3,9 e 4 a 4,9 cm, as probabilidades de desenvolvimento de lesões da doença diminuíram para 41,9% e 19,1%, respectivamente. Já em frutas com diâmetro superior a 5 cm, a chance de desenvolvimento de algum sintoma foi de apenas 1,1%. O mesmo ocorreu em relação ao número de lesões. Frutos que tinham de 1 a 1,9 cm e de 2 a 2,9 cm de diâmetro quando foram infectados apresentaram, em média, 3,4 e 3,5 lesões, respectivamente. Já naqueles com 3 a 3,9 cm e 4 a 4,9 cm de diâmetro, a média de lesões caiu para 2,2 e 1,3, respectivamente.

Por fim, a média de sintomas em limas com diâmetro acima de 4,9 cm foi de 0,3 lesões por fruto – para esse tamanho de limão, foi observada apenas uma lesão em um dos quase cem frutos avaliados. “Os resultados demonstram que a suscetibilidade da lima ácida Tahiti ao cancro cítrico diminui na mesma proporção que o crescimento do fruto, que, assim como a laranja, se torna resistente quando atinge 5 cm de diâmetro. O estudo revelou ainda que os frutos levam cerca de quatro meses para atingir esse tamanho na primavera e verão, período em que o controle deve ser rigoroso”, observa o pesquisador do Fundecitrus Franklin Behlau, coordenador do trabalho.

Manejo

A pesquisa do Fundecitrus demonstrou também que a dose e o volume de calda de cobre podem ser os mesmos preconizados no manejo do cancro cítrico em pomares de laranja. O resultado da pesquisa evidenciou, ainda, que o cancro cítrico pode ser manejado com o sucesso e de forma sustentável em lima ácida Tahiti, desde que as medidas de controle sejam apropriadamente empregadas.

Os detalhes completos desse trabalho estão na edição Nº 57 da Revista Citricultor. Acesse: https://www.fundecitrus.com.br/comunicacao/revista_detalhes/revista-citricultor---edicao-57/76.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.