Pesquisadores criam bateria orgânica
CME MILHO (DEZ/20) US$ 3,782 (-0,26%)
| Dólar (compra) R$ 5,38 (2,78%)

Imagem: Pixabay

TECNOLOGIA

Pesquisadores criam bateria orgânica

Eles estão usando banana, abacate e cana-de-açúcar
Por: -Leonardo Gottems
987 acessos

Por seis meses, o Grupo de Pesquisa em Física do Plasma da Universidade Nacional da Colômbia (UNAL), sede da Manizales, trabalha no protótipo de uma bateria orgânica tão eficaz quanto as disponíveis no mercado. Segundo dados do Ministério do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, por conter componentes como cádmio ou mercúrio, uma única bateria pode contaminar até 100.000 litros de água. 

Da mesma forma, um estudo do Programa de Pesquisa de Resíduos (PIRS) do Departamento de Engenharia Química e Ambiental da sede da UNAL em Bogotá mostrou que enquanto em 2002 19,3 kg desses contaminantes chegaram aos aterros, em 2009 o número era de 210,7 kg. 

O professor Favio Nicolás Rosero Rodríguez, do Departamento de Física e Química da Faculdade de Ciências Exatas e Naturais e líder de pesquisa em energias renováveis e baterias orgânicas da UNAL Sede Manizales, afirma que "a contaminação por baterias é cíclica, ou seja, quando as pilhas são jogadas no lixo, elas acabam em grandes latas de lixo misturadas com outros resíduos”. 

Para a investigação, foram considerados banana, abacate e cana-de-açúcar, que foram submetidos a diferentes processos científicos (caracterização) para encontrar, entre outros, seus componentes. Nesta primeira fase, foi identificada a parte do produto que funciona melhor para desenvolver uma pilha orgânica. 

Da mesma forma, foram analisados três tipos de informações: estrutural, morfológica e vibracional. O primeiro determinou se as amostras eram cristalinas ou amorfas para localizar o tipo de aplicação que elas podem ter. A morfológica ofereceu uma visão microscópica da banana, do abacate e da cana-de-açúcar e permitiu conhecer a escala nanométrica em que se pode trabalhar e o vibracional ofereceu a referência molecular e os modos apropriados de cada material. 

O professor Rosero ressalta que, considerando que outros desenvolvimentos já estão sendo feitos com cada produto analisado - por exemplo, óleo de abacate, amido de banana e cana de etanol - a equipe focou em outras características. Assim, descobriram que, após alguns processos, a casca de banana, a semente de abacate e o bagaço de cana são adequados como matéria-prima para a pesquisa. 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink