Pesquisadores descobrem proteína da imunidade

PESQUISA

Pesquisadores descobrem proteína da imunidade

"O conhecimento desses mecanismos e outros abre o caminho para o futuro desenvolvimento de culturas"
Por: -Leonardo Gottems
13378 acessos

Um grupo de pesquisadores argentinos descobriu que a proteína HrpE pode desencadear respostas a imunidade em plantas. Os pesquisadores descobriram um novo uso para a proteína que as bactérias usam como a agulha de uma injeção para infectar frutas cítricas, tomates, pimentas e outras culturas. 

A proteína bacteriana está presente nos patógenos do gênero Xanthomonas, cujas variedades causam doenças em diferentes culturas de importância econômica. Pesquisadores do Instituto de Biologia Celular e Molecular de Rosario (IBR), dependentes do CONICET e da Universidade Nacional de Rosário, também identificaram a proteína da planta que interage com o HrpE e desencadeia uma resposta no sistema imunológico da planta para se defender contra um ataque microbiano, de acordo com a publicação da Agência, CyTA-Fundación Leloir. 

"Conhecer em um nível molecular a interação entre plantas e microrganismos capazes de gerar doenças abre caminho para o desenvolvimento de plantas resistentes a pragas que causam enormes perdas econômicas", disseram os diretores do estudo, Dr. Jorgelina Ottado e Natalia Gottig, responsável pelo Laboratório no IBR. 

Para chegar a essas descobertas, os cientistas isolaram proteínas HrpE de um patógeno dos citros ( Xanthomonas citri subsp. Citri ) e as inocularam em uma planta amplamente utilizada no estudo da fisiologia das plantas, Arabidopsis thaliana . A análise molecular revelou que o HrpE interage com uma proteína de uma família conhecida como "CsGRP", e que é crucial ativar a resposta imune. Quando os pesquisadores inibiram o gene que dirige sua produção, as plantas não conseguiram se defender. 

"O conhecimento desses mecanismos e outros abre o caminho para o futuro desenvolvimento de culturas resistentes a pragas, com a consequente diminuição do uso de agrotóxicos prejudiciais ao meio ambiente", concluem. 

 

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink