Plantas nativas se regeneram depois da remoção de invasores

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o nosso site e as páginas que visita. Tudo para tornar sua experiência a mais agradável possível. Leia os Termos de Uso e a Termos de Privacidade.


CI
DESCOBERTA

Plantas nativas se regeneram depois da remoção de invasores

Crescimento das espécies nativas superou a cobertura
Por: -Leonardo Gottems

Um estudo apresentado na revista  Invasive Plant Science and Management mostrou que as plantas nativas se regeneram sozinhas depois que os arbustos invasivos são removidos. Os pesquisadores removeram manualmente 18 espécies arbustivas invasoras de cinco parcelas em uma floresta decídua madura no leste dos Estados Unidos. 

Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores cortaram os arbustos na base com aparadores de mão e, após esse trabalho manual, eles trataram a folhagem que emergia de tocos e raízes com herbicidas. De acordo com os realizadores do experimento, é possível dizer que qualquer nova muda das plantas invasoras foi removida a cada primavera, não restando, assim, possibilidade de rebrote ou crescimento das mesmas. 

Nesse cenário, sete anos após a eliminação inicial, as plantas nativas regeneraram-se e preencheram o vácuo por si mesmas, e o fizeram mais do que o esperado pelos especialistas. Sendo assim, os pesquisadores descobriram um aumento significativo na diversidade e abundância de plantas em ambos os sub-bosques nativos e pequenas árvores que foram selecionados para a realização do teste. 

"A regeneração natural em áreas onde arbustos invasivos foram removidos realmente superou o crescimento das parcelas de cobertura nativa do controle florestal não gerenciado, mesmo naqueles onde arbustos não-invasivos foram encontrados', afirmou Erynn Maynard-Bean, que é uma pesquisadora da University Estado da Pensilvânia, realizadora do estudo. "Os resultados sugerem que a remoção de arbustos invasivos pode fazer sentido, mesmo quando medidas ativas para restaurar a comunidade de plantas nativas não são possíveis”, completa a especialista. 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink