Pode faltar arroz?
CI
Imagem: Marcel Oliveira
PRODUÇÃO

Pode faltar arroz?

Alguns fatores podem impactar na produção e gerar alta nos preços
Por: -Eliza Maliszewski

O preço do arroz está no centro do debate. Tradicional, não pode faltar na mesa do brasileiro. Cada pessoa consome, em média, 34 quilos de arroz por ano. É o terceiro alimento mais consumido só perdendo para o café e o feijão.

A produção nacional atual é de 10,4 milhões de toneladas, ou 46% superior a essa demanda por habitante. Com isso, é possível fornecer até 50 kg por habitante. Mas essa situação poderia ser muito diferente. O Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal (Sindiveg) propõe pensar a seguinte situação: imagine se a produção anual desse cereal despencasse para apenas 1 milhão de toneladas. Haveria apenas 5 quilos de arroz disponível para cada habitante do país. 

As consequências seriam o aumento exponencial dos preços, um intenso impacto nas exportações e exigência de grandes importações para reduzir o déficit de oferta interna. O caos alimentício prejudicaria a dieta da população, que seria forçada a alterar sua base nutricional por outros produtos.

"O arroz é um alimento importante na alimentação não só do brasileiro, sendo fonte de carboidratos, proteínas e fibras necessários para uma vida saudável. Com a eventual redução dessa produção, a explosão de preços afetaria também os principais substitutos do cereal: milho e batata, por exemplo, além de derivados do trigo, como pão e macarrão", afirma Eliane Kay, diretora executiva do Sindiveg.
 
Mas o risco de faltar arroz é real? 

Segundo Eliana os problemas de abastecimento representam um dos impactos que pragas e doenças podem causar ao cultivo de arroz. "As plantas daninhas, assim como insetos e fungos, são motivos de grande preocupação para os produtores, que já sofrem com as constantes variações climáticas. Tudo isso afeta diretamente o plantio, o desenvolvimento e a colheita do cereal, prejudicando a qualidade e a quantidade de grãos disponíveis", destaca.

Por esse motivo, o combate a pragas, doenças e plantas daninhas é essencial não apenas para reduzir as perdas dos produtores, mas para possibilitar o fornecimento regular de alimentos, atendendo à demanda da população. O capim-arroz, um dos problemas comuns da lavoura, pode destruir 90% das plantações se não tratada. Um único exemplar pode produzir até 40 mil sementes, causando disputa por nutrientes, água e luz.
 
O cultivo de arroz não é impactado apenas por esse inimigo. Há vários outros, como o capim-braquiária e a tiririca, plantas daninhas que precisam de atenção, assim como insetos, como a bicheira-do-arroz, a bicheira-da-raiz e o pulgão-da-raiz. Em fungos, a preocupação é com a brusone, a escaldadura e a mancha-parda.
 
 Segundo o Sindiveg os insetos, plantas daninhas e doenças que prejudicam o cultivo de arroz exigem tratamento especial. O uso racional, seguindo as recomendações técnicas e de bula,de defensivos agrícolas (herbicidas, fungicidas e inseticidas) é a forma mais eficaz para prevenir e tratar os problemas fitossanitários sem reduzir a produtividade e a qualidade da produção.
  
O Valor Bruto da Produção de arroz é de R$ 8,8 bilhões, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Cerca de 95% da produção estão concentrados em oito estados: Rio Grande do Sul (69%), Santa Catarina (10%), Tocantins (6%), Mato Grosso (4%), Goiás (1,6%), Maranhão (1,5%), Paraná (1,3%) e Rondônia (1,2%). 

*com informações da assessoria de imprensa
 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink