Ponta Grossa (PR) pode se transformar em pólo de biodiesel
CI
Agronegócio

Ponta Grossa (PR) pode se transformar em pólo de biodiesel

Nos próximos dias um novo grupo poderá anunciar investimento de R$ 20 milhões
Por:

Em curto espaço de tempo, Ponta Grossa (PR) poderá se tonar um pólo de produção de biodiesel. Hoje, o Município tem um investimento certo no setor, anunciado no ano passado, já em fase de pré-operação. Outro empreendimento está em fase de negociação, com perspectivas superlativas de uma reposta positiva, já nos próximos dias. Num plano futuro, o governo municipal trabalha para receber uma das quatro usinas que investidores italianos pretendem construir no Brasil até 2008, duas delas no Paraná.

“Temos potencial e todas as condições de logística para fazermos de Ponta Grossa um complexo de biodiesel”, diz a secretária de Indústria, Comércio e Turismo, Liliana Ribas Tavarnaro. No quesito potencial, ela se refere à produção agrícola da região dos Campos Gerais, principalmente milho e soja, que este ano deve chegar a 2,7 milhões de toneladas, e às indústrias moageiras instaladas no Distrito Industrial Cyro Martins. Sobre a logística, a secretária destaca principalmente a proximidade com o Porto de Paranaguá, com facilidade de escoamento tanto pela rodovia e como pela ferrovia.

A proximidade com aduanas portuárias, por exemplo, é um dos pré-requisitos para a instalação no Brasil das fábricas anunciadas na última semana pelo primeiro-ministro da Itália, Romano Prodi, num investimento que totaliza US$ 480 milhões. Uma das usinas já tem instalação definida em Araucária. As demais, ainda não têm local definido, mas é certo que haverá mais uma unidade no Paraná e uma planta em Santa Catarina (próxima de portos, como Imbituba e Itajaí). A meta da Brasibiofuel é iniciar com uma produção de 360 milhões de litros por ano e chegar a 1,5 bilhão de litros por ano quando o projeto estiver completo. Inicialmente a empresa vai produzir biodiesel de girassol, mas já há estudos para a utilização de outras matérias-primas, como algodão, canola, pinhão manso e até soja.

O prefeito Pedro Wosgrau Filho iniciou conversações na última terça-feira, com o ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão, Paulo Bernardo, para que Ponta Grossa conte com o investimento do governo italiano. “O prefeito foi até o ministro para reivindicar esse investimento para Ponta Grossa, que, no caso de uma resposta afirmativa, representará a geração de renda, arrecadação de mais impostos para o Município e mais oportunidades de emprego para os ponta-grossenses”, diz a secretaria de Indústria e Comércio. No entanto, ela frisa que essa é uma decisão que virá dos investidores italianos.

Outro investimento do setor previsto para a cidade, que poderá ser anunciado nos próximos dias, está ligado ao terminal ferroviário da América Latina Logística (ALL) existente na cidade. “Esse é um processo e negociação que já dura seis meses”, revela a secretária Liliana Tavarnaro. Na próxima semana, o grupo que pretende investir na cidade terá uma nova rodada de negociações com a ALL, para fechar a planilha de custos do projeto. “Acertado esse detalhe, com os custos dentro do orçamento previsto, a instalação da usina deve ser imediata”, garante a secretária.

“Tratam-se de investidores brasileiros, que certamente buscarão uma associação com capitais estrangeiros”, diz a secretária, explicando que ainda não pode revelar o nome do grupo com o qual negocia e se reuniu na última semana.

O investimento chega a R$ 20 milhões, com previsão de venda de R$ 100 milhões por ano, dividida em 50% para o mercado interno e 50% destinada à exportação. A produção inicial, a partir do óleo de soja, seria de 100 mil toneladas ano, com capacidade para atingir 400 mil toneladas/ano.

Cidade já tem usina em pré-operação

O empreendimento no setor de biodiesel que se encontra em fase experimental em Ponta Grossa foi anunciado no ano passado e envolve a empresa paranaense Gama, sediada em Londrina, e a trading TSC, de capital austríaco. O grupo constituiu a Biodiesel Meridional TCS S.A. O investimento gira em torno de R$ 20 milhões, com faturamento previsto de R$ 50 milhões por ano.

Segundo Leonardo Nasser Gader­mann, diretor da empresa, a usina localizada na PR-151, na altura do Jardim Los Angeles, está em fase de pré-operação. A previsão é de uma produção de 24 mil litros de biodiesel por dia (cerca de 8 milhões de litros ano). Em sua capacidade máxima, a fábrica chegará a produzir 56 milhões de litros por ano, utilizando o óleo de soja, gordura animal e outros óleos alternativos (pinhão-manso e girassol). Em 60 dias, a Meridional TCS deverá iniciar um processo de esmagamento mecânico de 20% da soja utilizada na produção do biodiesel.

Para o diretor da empresa, a instalação de novas usinas na cidade é altamente positiva. “O mercado de energia obtida a partir de fontes renováveis é infinitamente crescente e não há uma concorrência direta”, diz o empresário, acrescentando que novos empreendimentos no setor virão para somar forças, gerando desenvolvimento para toda a cadeia produtiva da região.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink