Por quê a China vai necessitar de mais carne de frango?
CI
Agronegócio

Por quê a China vai necessitar de mais carne de frango?

População urbana chinesa superou, pela primeira vez, a rural
Por:
Como mostra outra matéria de quarta-feira, relativa aos 30 principais importadores de carne de frango do Brasil, em 2011 a China passou a integrar o ranking dos “top ten”, colocando-se já como o sexto maior importador do produto brasileiro. Vai precisar mais.


Na terça-feira o próprio governo chinês informou que a população urbana chinesa superou, pela primeira vez, a população rural. Assim, conforme o Bureau Nacional de Estatísticas, no final de 2011 as cidades chinesas contavam com 51,27% de uma população agora estimada em 1,34 bilhão de pessoas.


O processo de urbanização (salvo excelentes políticas de retenção do homem no campo) é irreversível. E tende a evoluir quase geometricamente. Foi o que ocorreu no Brasil a partir de meados do século XX. Como foi, também, o que deu base à expansão da avicultura brasileira: ao sair do campo, o criador de então não só deixou de produzir para si próprio e terceiros, como passou a integrar o rol de consumidores.


A diferença, na China, é que o país não dispõe de condições adequadas para suprir integralmente a demanda crescente. Assim, prevalece a tendência, natural, de recorrer cada vez mais a fornecedores externos.

Não é inverossímil, pois, no curto ou médio prazos, a China se colocar entre os primeiros consumidores da carne de frango brasileira. Mas, para isso, o País precisa estar muito bem preparado.




Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.