Portfólio de ponta da Nufarm para pastagem cresce com a chegada de dois herbicidas

Pastagem

Portfólio de ponta da Nufarm para pastagem cresce com a chegada de dois herbicidas

Novos produtos com amplo espectro de ação são indicados para plantas daninhas de médio e difícil controle
Por:
167 acessos

A australiana Nufarm avança nas ações a campo para demonstrar a pecuaristas e produtores de pastagem a eficácia de seus novos herbicidas Tibet® e Sniper®. Segundo a empresa, os produtos, com amplo espectro de ação, são sistêmicos, extremamente seletivos às gramíneas forrageiras e indicados ao manejo de plantas daninhas de porte herbáceo de médio e difícil controle.

De acordo com o gerente de herbicidas da Nufarm, Mario Drehmer, Tibet® e Sniper® têm como ingredientes ativos os compostos Picloram e Fluroxipir, “ambos com desempenho agronômico diferenciado nas áreas de pastagem, conforme comprovamos nos testes e pesquisas realizados na etapa pré-lançamento”, diz o executivo.

“Tibet® e Sniper® tornaram nosso portfólio de tecnologias ainda mais robusto, capaz de atender às diversas necessidades do pecuarista brasileiro”, acrescenta ele. “Por sua seletividade a gramíneas cultivadas, os produtos entregam resultados superiores sem comprometer o desenvolvimento da forragem”, continua.

Ainda de acordo com Drehmer, os novos Tibet® e Sniper® agem rapidamente sobre invasoras como mamica-de-porca, assa-peixe-branco, canela-de-velho, guanxuma-branca, unha-de-vaca, amarelinho, fedegoso-branco e malva-branca, entre outras consideradas de difícil manejo.

“O controle de plantas daninhas será sempre fundamental para assegurar a boa produtividade nas áreas de pastagem. Por isso o desenvolvimento de herbicidas para essa cultura demanda esforços permanentes de parte da Nufarm, com objetivo de ampliar o acesso do pecuarista às mais inovadoras e eficazes tecnologias disponíveis no segmento”, finaliza Drehmer.

Especialistas apontam que a degradação das pastagens constitui hoje um dos principais problemas enfrentados pela pecuária brasileira. Calcula-se, por exemplo, que o Brasil conte atualmente com 180 milhões de hectares disponíveis para alimentação de animais, ao passo que metade dessa área apresenta problemas de degradação.
 


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink