Práticas de entrelinhas recomendadas para as áreas com coqueiros
CME MILHO (DEZ/20) US$ 4,140 (0,73%)
| Dólar (compra) R$ 5,61 (0,05%)


Agronegócio

Práticas de entrelinhas recomendadas para as áreas com coqueiros

A opção pelo melhor sistema de produção a ser adotado pelo produtor deve passar, portanto, por uma avaliação criteriosa das condições locais da propriedade como um todo
Por:
2492 acessos
Por Humberto Rollemberg Fontes*

O plantio do coqueiro da variedade gigante do Brasil ocupa uma área de aproximadamente 208.980 ha, distribuído ao longo da faixa litorânea do Nordeste, cultivado em sequeiro, responsável pela quase totalidade da produção de “coco seco” utilizado pela indústria de alimentos e mercado “in natura”. A não utilização de práticas adequadas de manejo e a ocorrência de problemas fitossanitários endêmicos na região, associados à baixa qualidade do material genético, são responsáveis em grande parte, pela baixa produtividade desta cultura. Associado a estes fatores, o produtor tem enfrentado ao longo dos anos, problemas relacionados com o baixo preço do coco seco no mercado interno, decorrente em parte das importações do coco ralado, que de certa forma desestimula os investimentos neste setor.

Em função do amplo espaçamento utilizado entre coqueiros nos plantios tradicionais ( 100 plantas / ha) e conseqüentemente da boa transmissão de luz, é possível encontrar espécies perenes e anuais ocupando o espaço disponível entre plantas, aumentando consequentemente a competição por umidade e nutrientes. Em áreas com períodos secos prolongados, como ocorre com o Nordeste do Brasil, a não adoção de um programa adequado de manejo da vegetação nativa de cobertura pode comprometer, portanto, o crescimento e produção dos coqueiros. A roçagem mecânica e manual, gradagem do solo, aplicação de herbicidas, consorciação de culturas, cobertura do solo com leguminosas ou mesmo a utilização da área para pastejo, são os métodos comumente utilizados, os quais têm como objetivo reduzir a competição entre coqueiros e plantas de cobertura.
De acordo com trabalhos já realizados, comparando-se diferentes sistemas de manejo das entrelinhas em áreas cultivadas com coqueiros, observa-se que a manutenção da vegetação natural através da roçagem mecânica, pode reduzir a produção de frutos, principalmente em regiões com déficits hídricos elevados. O uso continuado desta prática favorece o aumento da incidência de gramíneas, a exemplo do capim gengibre (Paspalum maritimum Trind) em detrimento de outras espécies, contribuindo desta forma para aumentar a competição pela umidade do solo e nutrientes, especialmente em relação ao nitrogênio. Em contrapartida, a eliminação ou redução da vegetação natural nas entrelinhas se reflete de forma positiva sobre o aumento de produção dos coqueiros. Resta ao produtor, portanto, avaliar qual o sistema de manejo deverá ser utilizado em sua propriedade, e que melhor se adéqüe ao seu sistema de produção, selecionando práticas sustentáveis de manejo que permitam conciliar produção de coco com outras atividades econômicas.

A opção pelo uso da gradagem para manutenção do solo descoberto, embora considerada como uma prática eficiente e capaz de reduzir as perdas de água e nutrientes expõe o solo à ação do sol e da chuva com reflexos sobre o aumento da lixiviação de nutrientes, perdas por erosão e alteração das suas propriedades físicas, químicas e biológicas. Deve-se ressaltar também, que a vegetação natural atua como hospedeira de inimigos naturais, além de proteger e reciclar nutrientes do solo e promover o seqüestro de carbono. Sua utilização, portanto, deve ser vista com cautela, podendo ser utilizada, no entanto, para preparo de solo e instalação de culturas consorciadas ou leguminosas de cobertura no início do período chuvoso.

A utilização de herbicidas de ação pós - emergente para controle da vegetação de cobertura em área total, também pode ser considerada uma prática que além de apresentar baixo custo, alcança bom efeito e se reflete no aumento de produção de frutos, uma vez que possibilita a eliminação da vegetação natural, mantendo-se neste caso, uma cobertura morta sobre o solo. Embora esta prática seja utilizada sob o argumento do alto custo da mão de obra, o produtor deve sempre avaliar a conveniência de utilização deste método, considerando-se não somente as questões ambientais, como também a possibilidade de fazer melhor uso da área disponível para exploração com outras culturas.

Dentro deste contexto, e em particular, considerando-se a condição do pequeno produtor de coco do Nordeste, onde predominam estabelecimentos com menos que 10 ha, há necessidade de se avaliar em cada caso, qual o sistema que melhor se adéqua às condições de cada produtor. Deve-se considerar, no entanto, que a área efetivamente ocupada com o coqueiro corresponde a aproximadamente 20% do total disponível, permitindo assim a utilização do restante para exploração com outras culturas.

No caso de plantios novos, e em se tratando de pequenos produtores, a recomendação é que utilizem sistemas em quadrado, que ao contrário do plantio em triângulo, permite utilização mais eficiente do solo com outras culturas, em função da maior transmissão de luz durante todo o ciclo do coqueiro. Embora neste sistema ocorra uma redução de 15% do número de plantas por área, é possível o estabelecimento de arranjos de culturas que permitem o uso mais eficiente do espaço disponível entre coqueiros com maior retorno financeiro para o produtor.
 
Em plantios já estabelecidos, apesar da irregularidade de espaçamento, é possível também a consorciação de culturas desde que se faça uma avaliação das condições locais principalmente em relação à luminosidade. Em ambos os casos, deve-se considerar as questões relacionadas com as condições de clima e solo, exigências hídricas e nutricionais, profundidade do sistema radicular, e condições de mercado das culturas a serem consorciadas.
 
O cultivo da mandioca como também da bananeira, são citados como as culturas predominantemente consorciadas com o coqueiro e difundidas em todo o mundo. No caso do Nordeste do Brasil, a mandioca se destaca entre as culturas mais utilizadas, pela sua grande importância na produção de farinha, considerada como alimentação básica do nordestino e pela capacidade de adaptação desta cultura às condições de clima e solo onde é cultivado o coqueiro. Quando comparado a outras práticas de manejo das entrelinhas em plantios jovens, o sistema consorciado com mandioca apresenta resultados que o colocam em posição de destaque. Apesar de aumentar a competição pelo potássio do solo, este sistema é capaz de proporcionar aumento de desenvolvimento dos coqueiros, gerando ainda receita suficiente para cobrir os custos iniciais de produção.

A introdução de leguminosas ao sistema de produção deve ser considerada também, numa alternativa que deve ser buscada pelo produtor de coco, tendo em vista os benefícios relacionados com a fixação biológica de nitrogênio e melhoria das propriedades do solo em função do aumento dos teores de matéria orgânica. Entre outras culturas, o feijão de corda (Vigna unguiculata ) tem se demonstrado como uma cultura bastante adaptada às condições de clima e solo onde normalmente é cultivado o coqueiro no Nordeste do Brasil, caracterizando-se pela sua importância como fonte de proteínas para alimentação humana, constituindo-se também como planta melhoradora de solo. Mais recentemente, a glirícidia (Gliricídia sepium ), leguminosa perene de porte arbustivo considerada de múltiplo uso, tem sido introduzida com sucesso tanto em plantios de coqueiros novos como em áreas já estabelecidas com resultados altamente satisfatórios, uma vez que permite que seja utilizada como banco de proteínas para ruminantes, cerca viva forrageira e adubação verde. A utilização de sistemas de policultivo em áreas sob coqueiros, com a participação da gliricídia, associada ao cultivo do milho x feijão de corda x mandioca, adotando um sistema agroecológico de produção, tem-se demonstrado como uma alternativa viável que poderá ser adotada principalmente pelo pequeno produtor de coco.

A opção pelo melhor sistema de produção a ser adotado pelo produtor deve passar, portanto, por uma avaliação criteriosa das condições locais da propriedade como um todo, de forma que seja possível conciliar produção de coco com a exploração de outras atividades econômicas, viabilizando assim um aumento sustentável da propriedade como um todo.

Humberto Rollemberg Fontes* é pesquisador da Embrapa Tabuleiros Costeiros, Aracaju, Sergipe

Anúncios que podem lhe interessar


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink