Preço da cesta básica aumenta em 16 das 18 capitais pesquisadas pelo Dieese
CI
Agronegócio

Preço da cesta básica aumenta em 16 das 18 capitais pesquisadas pelo Dieese

Diminuição de preços ocorreu em duas localidades, Florianópolis (queda de 2,25%) e Natal (-1,42%)
Por:
O preço da cesta básica subiu em março em 16 das 18 capitais onde o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) realiza a Pesquisa Nacional da Cesta Básica. As maiores elevações foram apuradas em Vitória (alta de 6,01%), Manaus (4,55%), e Salvador (4,08%). Diminuição de preços ocorreu em duas localidades, Florianópolis (queda de 2,25%) e Natal (-1,42%). 

São Paulo continuou a ser a capital com maior valor médio para a cesta básica: R$ 336,26. Em seguida aparecem Vitória (R$ 332,24), Manaus (R$ 328,49) e Belo Horizonte (R$ 323,97). Em Aracaju (R$ 245,94), João Pessoa (R$ 274,64) e Campo Grande (R$ 276,44) foram registrados os menores valores. 

Em março, o preço do feijão ficou mais caro em 16 capitais. As maiores elevações ocorreram em Aracaju (13,35%), Salvador (12,08%) e Fortaleza (11,65%). Os menores aumentos foram verificados em Campo Grande (1,23%), Belém (1,41%) e Curitiba (2,92%). Diminuição de preço ocorreu em Florianópolis (-12,1%) e Porto Alegre (-0,21%). 

O leite in natura subiu em 13 capitais. As maiores altas ocorreram em Aracaju (7,69%), Belo Horizonte (3,24%) e Belém (2,62%). Em Florianópolis, Goiânia e Salvador, os preços permaneceram estáveis. Em duas capitais, Natal (-0,69%) e Manaus (-0,36%) foram verificadas quedas nos preços. 

O tomate, no varejo, teve alta em 12 capitais. Os maiores aumentos ocorreram em Vitória (42,00%), Belo Horizonte (17,20%) e São Paulo (15,68%). As menores elevações foram verificadas em Goiânia (1,67%), Belém (2,72%) e Curitiba (2,86%). Ocorreu queda nos preços em seis capitais, com destaque para Natal (-12,11%) e Florianópolis (-10,57%). 

No acumulado do ano, o preço do tomate subiu em 17 capitais, 13 delas registraram alta acima de 100%. As variações mais expressivas ocorreram em Vitória (215,56%), Porto Alegre (197,10%) e Rio de Janeiro (194,65%). As menores elevações, embora ainda acima de 50%, foram apuradas em Belém (56,02%), Manaus (61,68%), Salvador (91,55%) e Recife (99,48%). 

De acordo com o Dieese, o preço do tomate sofre grande influência das condições climáticas. "Os preços no varejo vêm sendo impactados pelo excesso de chuva desde o começo do ano, diminuindo a produtividade das lavouras e a qualidade do produto", diz a entidade em nota. 

Em março, a carne bovina, produto de maior peso na composição do valor da cesta básica, ficou mais barata em 15 das 18 capitais pesquisadas. As maiores reduções ocorreram em Brasília (-3,97%), Natal (-3,24%) e Goiânia (-3,14%). Houve aumento em duas capitais: Florianópolis (4,35%) e Rio de Janeiro (2,08%). Os preços, segundo o Dieese, podem estar relacionados às quedas verificadas para o valor da arroba e também à oferta de carnes nos frigoríficos. 

No mês de março foi registrada queda no preço do arroz: o valor do produto diminuiu em 14 das 18 capitais pesquisadas. As retrações mais significativas ocorreram em Florianópolis (-8,27%), Aracaju (-7,57%) e Natal (-4,22%). Os aumentos ocorreram em quatro capitais: Brasília (1,59%), Salvador (0,79%), Goiânia (0,46%) e Vitória (0,46%). De acordo com o Dieese, a queda de preços reflete o início da colheita nas principais regiões produtores e a perspectiva de uma safra grande neste ano. 

O Dieese destaca que para suprir as necessidades básicas do trabalhador e sua família com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência, o salário mínimo, em março, deveria ser R$ 2.824,92, ou seja, 4,17 vezes o valor em vigor, de R$ 678,00. O cálculo considera o preço da cesta básica de São Paulo. 

No acumulado de 2013, as 18 capitais apresentaram alta nos preços da cesta básica. As maiores elevações foram registradas em Salvador (23,75%), Aracaju (20,52%) e Natal (16,52%). Os menores aumentos foram verificados em Florianópolis (5,97%), Belém (7,47%) e Curitiba (8,65%).

Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.