Preço do milho reage e chega a R$ 15 no auge da colheita

Agronegócio

Preço do milho reage e chega a R$ 15 no auge da colheita

A reação é reflexo da demanda internacional pelo grão
Por:
78 acessos

No auge da colheita, o preço do milho reagiu no mercado internacional, produzindo efeito em cadeia que elevou o valor pago ao produtor a R$ 15, saindo de um patamar em que o governo federal vinha intervindo para que o grão não ficasse abaixo do preço mínimo, de R$ 14 a saca de 60 quilos. As intervenções foram necessárias em junho e julho. O consultor da Bolsa Brasileira de Mercadorias, Carlos Duppas, afirma que esta reação é reflexo da demanda internacional pelo grão. Embora os Estados Unidos sinalize com grande produção, de 320 milhões de toneladas do grão, o direcionamento para produção de etanol acaba impulsionando a demanda.

As exportações brasileiras devem seguir a previsão inicial, de 8 milhões de toneladas, mas com valor melhor. Também é efeito a reação do dólar, que voltou a ficar acima dos R$ 2,00, melhorando os preços de exportação. Segundo Duppas, a maior parte do milho exportado sai do Paraná, por logística, em função do Porto de Paranaguá. “O milho tem valor bem menor que a soja então o impacto do frete é muito grande”, explica. Com o direcionamento da produção paranaense para a exportação o abastecimento daquele Estado, que é grande consumidor devido à criação de aves e outras atividades, acaba ficando sob responsabilidade de estados vizinhos como o Mato Grosso e o Mato Grosso do Sul.

O governo precisou intervir várias vezes pagando prêmios para sustentar o preço do milho este ano. Houve momentos, segundo Duppas, em que o produtor estava recebendo R$ 12,50 pela saca.

Perdas:

Hoje cerca de 48% da produção de milho safrinha já foram colhidos, segundo informações da Granos Corretora de Grãos. A colheita segue a todo vapor. Dados da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) indicam perdas na cultura de 9% devido à estiagem, que chegou a 50 dias em algumas regiões do Estado, foi interrompida e agora retomada. Já há regiões, como de Porto Murtinho, onde há mais de um mês não chove.

Enquanto na safra passada a produtividade do milho foi de 3,3 mil quilos por hectare, desta vez ficou em 3 mil quilos. Ainda assim a produção esperada é bem maior, de 2,2 milhões de toneladas, aumento de 29% em relação à safra passada.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink