Preço dos grãos pode comprometer plantio
CI
Agronegócio

Preço dos grãos pode comprometer plantio

Um estudo mostra que o preço do adubo subiu cinco vezes mais que o da soja, e que a rentabilidade do produtor pode ficar comprometida
Por:
A soja levou mais um tombo ontem na Bolsa de Chicago (CBOT) e fechou em US$ 12,1350 o bushel (contrato setembro), queda de 3,6%. Em maio, quando os preços estavam 11,4% maiores (acima de US$ 13), a Confederação de Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) elaborou, junto com o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da Universidade de São Paulo (Cepea/Esalq/USP), um estudo, divulgado ontem, em que mostra que o preço do adubo subiu, pelo menos, cinco vezes mais que o da soja, e que a rentabilidade do produtor pode ficar comprometida.

"O produtor está em uma situação muito frágil. Não está 'hedgiado' (protegido de oscilações de preços e câmbio) em nenhuma ponta e com esse custo de produção muito alto. A vulnerabilidade é muito alta", alerta José Mário Schreiner, presidente da Comissão Nacional de Cereais, Fibras e Oleaginosas da CNA.

De acordo com levantamento da consultoria Safras & Mercado, até 1º de agosto foram vendidos antecipadamente 7% da safra brasileira de soja, percentual que em agosto do ano passado era de 21% e, na média dos últimos cinco anos, de 10%. "A quase totalidade desses negócios foram com troca por insumo", diz Flávio Roberto de França Júnior, diretor da consultoria.

Segundo a CNA, até maio 45% do adubo necessário ao plantio da safra de soja foi comprado. A dúvida agora é sobre em que condições o restante será adquirido pelo produtor, segundo Schreiner. "Nós recomendamos mais cautela ao produtor, porque a situação está muito delicada", argumentou Schreiner.

No levantamento da CNA foi constatado que em Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul, Bahia, Tocantins e Maranhão os custos de produção, até junho, vinham crescendo mais que as cotações da soja. No município de Rio Verde, em Goiás, foi identificado o maior custo do Centro-Oeste, de R$ 1,545 mil por hectare.

A maior alta de preço do adubo no País foi em Sorriso, Médio -Norte de Mato Grosso, segundo estudo do Cepea/USP. Nesse município, esse insumo valia em maio deste ano R$ 722 a tonelada, 94% mais que na média da safra 2007/08. Nesse período, a saca de soja valorizou-se bem menos nessa região, de R$ 26,51 para R$ 34,11, alta de 28,7%. Em Londrina (PR), o preço da saca do grão aumentou apenas 7,2% no período, enquanto o adubo, 85,5%.

Mercado

O novo recuo da soja na bolsa americana de ontem se deveu à combinação de vários fatores e rumores no mercado. Segundo Étore Baroni, consultor de gerenciamento de risco da FCStone, a queda de US$ 2 na cotação do barril do petróleo e rumores de liquidação de posição de fundos que não conseguiriam honrar margem foram alguns deles.

Contribuiu também notícias de que a China poderia cancelar embarques de soja já vendidos em reação aos altos preços do produto. "Além disso, agitaram o mercado a previsão de clima bom para os próximos dias nas lavouras americanas e a expectativa de que o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (Usda) divulgará no dia 12 uma safra maior", complementa o consultor.

Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.