Agronegócio

Preço pago pelo quilo do suíno vivo sobe R$ 0,10

Aurora e JBS já confirmaram o reajuste
Por:
1815 acessos

Aurora e JBS já confirmaram o reajuste. Presidente da ACCS afirma que medida é o ponto de partida para manter a atividade suinícola catarinense viva

Os produtores de suínos de Santa Catarina começam o mês de junho com boas expectativas para a atividade, com o reajuste de R$ 0,10 no valor pago pelas agroindústrias no quilo do animal vivo. A Cooper Central Aurora anunciou que seu novo preço base será de R$ 2,90 e a JBS pagará R$ 2,80. A BRF também confirmou o reajuste de R$ 0,10 a partir da próxima segunda-feira, 6. A Pamplona tem projeções de melhorar a remuneração ao produtor, mas a medida será discutida na tarde de hoje. 

Após a proteína in natura ter o preço depreciado em R$ 0,40 desde as primeiras semanas de 2016, essa é a primeira alta de valores do ano. Para o presidente da Associação Catarinense de Criadores de Suínos (ACCS), Losivanio Luiz de Lorenzi, a reação estava sendo esperada há muito tempo, após sucessivas quedas de preço e aumento no custo de produção. “Sabemos que a melhora de preços será gradativa, mas precisamos de uma reação maior, pois o custo de produção do quilo do suíno ainda passa dos R$ 4,00. Esse é o recomeço para mantermos a atividade suinícola catarinense viva”.

O presidente da ACCS alerta os produtores mantenham a estabilidade do plantel, controlar os gastos na propriedade rural e cuidar da conversão alimentar dos animais. “Essa crise vai passar em pelo menos 50 dias com a chegada forte da safra de milho. Várias empresas estão conseguindo importar o cereal mais barato. Na safra esse milho vai baixar muito e a saca vai chegar próximo dos R$ 40,00”.
 

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink